Islão e Alcorão
Os-Princípios-Universais-da-Guerra

Os Princípios Universais da Guerra

 

INTRODUÇÃO

O desejo de assumir a posição e a posição de alguém geralmente se manifesta como negligência das regras. Essa ambição, que até causa ressentimento doméstico nos lares, coloca as nações umas contra as outras de tempos em tempos. As tentativas de restringir os direitos humanos básicos de outras pessoas alimentaram os conflitos e as guerras ao longo da história do homem. Uma nação, que pode até estar no caminho correto, pode ser obrigada a lutar fisicamente com um lado oposto, com base em razões legítimas. Essa realidade inevitável se manifesta desde o início da vida mundana. Considerando o fato de que um mundo sem guerra não é possível permanecer, estar preparado para lutas militares e cumprir esse dever nos campos quando necessário, é uma responsabilidade fundamental dos muçulmanos.

Embora o homem despreze a presença da guerra, talvez por meio de suas promessas de inibir problemas maiores ou criar progressões inesperadas, ele é declarado obrigatório para os muçulmanos. Deus ordena:

 

كُتِبَ عَلَيْكُمُ الْقِتَالُ وَهُوَ كُرْهٌ لَّكُمْ وَعَسَى أَن تَكْرَهُواْ شَيْئًا وَهُوَ خَيْرٌ لَّكُمْ وَعَسَى أَن تُحِبُّواْ شَيْئًا وَهُوَ شَرٌّ لَّكُمْ وَاللّهُ يَعْلَمُ وَأَنتُمْ لاَ تَعْلَمُونَ

“Está-vos prescrita a luta (pela causa de Deus), embora o repudieis. É possível que repudieis algo que seja um bem para vós e, quiçá, gosteis de algo que vos seja prejudicial; todavia, Deus sabe todo o bem que fizerdes, Deus dele tomará consciência.” (Al Bácara | A Vaca 2:216).

 

O Todo-Poderoso Criador define as diretrizes para as guerras, desde a preparação até a execução, e da distribuição das tomadas para o tratamento dos reféns. Dito isto, o código de guerra do Alcorão será apresentado no seguinte pedaço de estudo, abordando os versículos de Deus.

 

PORQUE GUERRA EXISTE?

A guerra é uma circunstância coletivamente não gostada. Ninguém pretende deixar sua família, profissão e acomodação estabelecida e se apressar em pôr em risco suas próprias vidas. No entanto, isso não significa que um assunto abominável seja automaticamente um ato falso. Da mesma forma, não podemos afirmar que as curas para várias doenças são incorretas de executar, embora sejam árduas e dolorosas.

 

O Islã é a religião da natureza humana. É de fato a religião natural 1. É contrário a fatos naturais de a natureza esperar que nosso mundo seja pacífico indefinidamente. Portanto, o Alcorão cobre as verdades da guerra, além de orientar os muçulmanos nesse sentido. Criticar o Alcorão através do espírito antiguerra é realmente criticar a própria dinâmica da natureza. O papel das contradições entre o slogan “O Islã é a religião da paz” e os versículos do Livro que estão comandando a guerra em momentos precisos é notável ​​nessas críticas. É um exemplo instigante para os muçulmanos não desenvolverem slogans que não sejam baseados no Alcorão.

 

O Alcorão é o livro que envolve o verdadeiro conhecimento universal. Descreve os pré-requisitos da guerra, motiva os muçulmanos a agirem de acordo e os encoraja a combater o inimigo. Por ser um “guia” para humanos, este livro também fornece as instruções corretas para ter sucesso em tais práticas estressantes. Não inclui nenhuma declaração conflitante sobre o assunto da guerra. Deus diz:

 

كُتِبَ عَلَيْكُمُ الْقِتَالُ وَهُوَ كُرْهٌ لَّكُمْ وَعَسَى أَن تَكْرَهُواْ شَيْئًا وَهُوَ خَيْرٌ لَّكُمْ وَعَسَى أَن تُحِبُّواْ شَيْئًا وَهُوَ شَرٌّ لَّكُمْ وَاللّهُ يَعْلَمُ وَأَنتُمْ لاَ تَعْلَمُونَ

“Está-vos prescrita a luta (pela causa de Deus), embora o repudieis. É possível que repudieis algo que seja um bem para vós e, quiçá, gosteis de algo que vos seja prejudicial; todavia, Deus sabe todo o bem que fizerdes, Deus dele tomará consciência.” (Al Bácara | A Vaca 2/216).

 

Durante o tempo de paz, o Islã é sem dúvida a religião da paz e o Alcorão é o livro da paz. Este livro envolve a celebração total da paz, incentiva Mumin a agir de acordo com ela e nos ensina como sustentá-la. Um verso do Alcorão é o seguinte:

 

وَإِن جَنَحُواْ لِلسَّلْمِ فَاجْنَحْ لَهَا وَتَوَكَّلْ عَلَى اللّهِ إِنَّهُ هُوَ السَّمِيعُ الْعَلِيمُ. وَإِن يُرِيدُواْ أَن يَخْدَعُوكَ فَإِنَّ حَسْبَكَ اللّهُ هُوَ الَّذِيَ أَيَّدَكَ بِنَصْرِهِ وَبِالْمُؤْمِنِينَ

“Se eles se inclinam à paz, inclina-te tu também a ela, e encomenda-te a Deus, porque Ele é o Oniouvinte, o Sapientíssimo.

Mas, se intentarem enganar-te, fica sabendo que Deus te é suficiente. Ele foi Quem te secundou com o Seu socorro e com o dos fiéis” (Al Anfal | Os Espólios 8/61-62).

 

Segundo o Alcorão, a guerra é uma necessidade absoluta para obter a paz, a ordem, a proteção da vida e da justiça.

Desse ponto de vista, é uma inferência irrefutável dizer em um mundo sem guerra; medo, violência e injustiça prevalecerão em maiores capacidades. Deus diz:

 

وَلَوْلاَ دَفْعُ اللّهِ النَّاسَ بَعْضَهُمْ بِبَعْضٍ لَّفَسَدَتِ الأَرْضُ وَلَكِنَّ اللّهَ ذُو فَضْلٍ عَلَى الْعَالَمِينَ

“… Se Deus não contivesse aos seres humanos, uns, em relação aos outros, a terra se corromperia; porém, O favor de Deus inclui todos os seres” (Al Bácara | A Vaca 2/251).

Como consideração deste versículo, se os bravos que enfrentam tiranos e terroristas não existissem, a liberdade humana poderia ter sido aniquilada completamente e a pressão do poder poderia transformar as pessoas em escravos. Não seria possível viver como acreditamos. O verso que indica essa verdade:

 

وَلَوْلَا دَفْعُ اللَّهِ النَّاسَ بَعْضَهُم بِبَعْضٍ لَّهُدِّمَتْ صَوَامِعُ وَبِيَعٌ وَصَلَوَاتٌ وَمَسَاجِدُ يُذْكَرُ فِيهَا اسْمُ اللَّهِ كَثِيرًا وَلَيَنصُرَنَّ اللَّهُ مَن يَنصُرُهُ إِنَّ اللَّهَ لَقَوِيٌّ عَزِيزٌ

“… Se Deus não tivesse refreado os instintos malignos de uns em relação aos outros, 2 teriam sido destruídos mosteiros, igrejas, sinagogas e mesquitas, onde o nome de Deus é frequentemente celebrado. Sabei que Deus secundará quem O secundar, em Sua causa, porque é Forte, Poderosíssimo.” (Al Hajj | A Peregrinação 22/40).

 

O Alcorão comanda a guerra, pois as consequências de não lutar pela paz serão mais destrutivas.

 

فَقَاتِلْ فِي سَبِيلِ اللّهِ لاَ تُكَلَّفُ إِلاَّ نَفْسَكَ وَحَرِّضِ الْمُؤْمِنِينَ عَسَى اللّهُ أَن يَكُفَّ بَأْسَ الَّذِينَ كَفَرُواْ وَاللّهُ أَشَدُّ بَأْسًا وَأَشَدُّ تَنكِيلاً

“Luta, pois, pela causa de Deus, porque tu és somente responsável por ti mesmo; e esforça-te em estimular os fiéis; quisesse Deus, conteria a fúria dos incrédulos, porque Deus é mais poderoso, ainda, e mais punidor 3.” (An Nissá | As Mulheres 4/84).

 

Durante a guerra, os militantes se chocam, morrem ou ficam feridos. No entanto, durante uma incursão; civis, mulheres e crianças podem ser expostos à violência ou podem até ser assassinados. Assim, evitando frequentar a guerra, quando necessário, pode certamente causar maiores tragédias.

 

A razão central para participar da guerra é eliminar a depravação, corrupção e desordem e melhorar essa atmosfera. Deus decreta:

 

وَإِن طَائِفَتَانِ مِنَ الْمُؤْمِنِينَ اقْتَتَلُوا فَأَصْلِحُوا بَيْنَهُمَا فَإِن بَغَتْ إِحْدَاهُمَا عَلَى الْأُخْرَى فَقَاتِلُوا الَّتِي تَبْغِي حَتَّى تَفِيءَ إِلَى أَمْرِ اللَّهِ فَإِن فَاءتْ فَأَصْلِحُوا بَيْنَهُمَا بِالْعَدْلِ وَأَقْسِطُوا إِنَّ اللَّهَ يُحِبُّ الْمُقْسِطِينَ

“Quando dois grupos de fiéis combaterem entre si, 4 reconciliai-os, então. E se um grupo provocar outro, combatei o provocador, até que se cumpram os desígnios de Deus. Se porém, se cumprirem (os desígnios), então reconciliai-os equitativamente e sede equânimes, porque Deus aprecia os equânimes.” (Al Hujjurat | Os Aposentos 49:9).

 

Após uma análise mais detalhada, pode-se ver que o principal objetivo de lutar com os outros não é tirar a vida das pessoas, mas inversamente manter a sua existência mundana. Você tenta matar os militantes do lado oposto no campo de guerra, mas também sabendo que não revidar arriscará a vida de civis. Segundo o Alcorão, a vida humana é um valor que deve ser preservado5. Para afirmar mais especificamente através de um exemplo, Deus atrasa uma grande conquista para não correr o risco de várias vidas inocentes:

 

هُمُ الَّذِينَ كَفَرُوا وَصَدُّوكُمْ عَنِ الْمَسْجِدِ الْحَرَامِ وَالْهَدْيَ مَعْكُوفًا أَن يَبْلُغَ مَحِلَّهُ وَلَوْلَا رِجَالٌ مُّؤْمِنُونَ وَنِسَاء مُّؤْمِنَاتٌ لَّمْ تَعْلَمُوهُمْ أَن تَطَؤُوهُمْ فَتُصِيبَكُم مِّنْهُم مَّعَرَّةٌ بِغَيْرِ عِلْمٍ لِيُدْخِلَ اللَّهُ فِي رَحْمَتِهِ مَن يَشَاء لَوْ تَزَيَّلُوا لَعَذَّبْنَا الَّذِينَ كَفَرُوا مِنْهُمْ عَذَابًا أَلِيمًا

“Foram eles, os incrédulos, os que vos impediram de entrar na Mesquita Sagrada e impediram que a oferenda 6 chegasse ao seu destino. E se não houvesse sido por uns homens e mulheres fiéis, que não podíeis, distinguir7, e que poderíeis ter morto sem o saber, incorrendo, assim, inconscientemente, num crime hediondo, Ter-vos-íamos facultado combatê-lo; foi assim estabelecido, para que Deus pudesse agraciar com a Sua misericórdia quem Lhe aprouvesse. Se vos tivesse sido possível separá-los, teríamos afrontado os incrédulos com um doloroso castigo.” (Al Fath | O Triunfo 48/25).

 

Para completar esta seção, o Alcorão apresenta a guerra como uma das realidades da nossa provação mundial; porque se proteger, perseguir os terroristas que fazem as pessoas inocentes sofrerem e inibir aqueles que estão atacando a segurança de nossas vidas são reflexos intrínsecos da condição humana. Com relação a isso, como o Islã é a religião que se situa na natureza humana, ele comanda a guerra nos momentos requeridos.

 

AS RAZÕES LEGÍTIMAS DA GUERRA

O nosso Senhor anuncia que nos examinará intensamente na nossa provação mundial:

 

وَلَنَبْلُوَنَّكُمْ بِشَيْءٍ مِنَ الْخَوْفِ وَالْجُوعِ وَنَقْصٍ مِنَ الْأَمْوَالِ وَالْأَنْفُسِ وَالثَّمَرَاتِ ۗ وَبَشِّرِ الصَّابِرِينَ

“Certamente que vos poremos à prova mediante o temor, a fome, a perda dos bens, das vidas e dos frutos. Mas tu (ó Mensageiro), anuncia (a bem-aventurança) aos perseverantes – ” (Al Bácara | A Vaca 2/155).

 

A única maneira de passar neste exame é mostrar resistência, que é o ato de fazer a coisa certa a qualquer custo. Esse comportamento ativo em relação à vida é nomeado como Sabr no Alcorão. Além disso, a Jihad também é o nome do esforço que Deus nos ordena a aplicar durante períodos tão adversos em nossa vida. Diante disso, a guerra é uma prática dramática desse conceito da Jihad. Além disso, a Jihad, que envolve guerra quando necessário é um assunto de perdão por Deus e também um assunto de comércio benéfico que ocorrerá tanto neste mundo quanto na outra vida. Os benefícios que podem ser obtidos com este acordo são nomeados como ” o magnífico benefício”:

 

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا هَلْ أَدُلُّكُمْ عَلَىٰ تِجَارَةٍ تُنْجِيكُمْ مِنْ عَذَابٍ أَلِيمٍ تُؤْمِنُونَ بِاللَّهِ وَرَسُولِهِ وَتُجَاهِدُونَ فِي سَبِيلِ اللَّهِ بِأَمْوَالِكُمْ وَأَنْفُسِكُمْ ۚ ذَٰلِكُمْ خَيْرٌ لَكُمْ إِنْ كُنْتُمْ تَعْلَمُونَ يَغْفِرْ لَكُمْ ذُنُوبَكُمْ وَيُدْخِلْكُمْ جَنَّاتٍ تَجْرِي مِنْ تَحْتِهَا الْأَنْهَارُ وَمَسَاكِنَ طَيِّبَةً فِي جَنَّاتِ عَدْنٍ ۚ ذَٰلِكَ الْفَوْزُ الْعَظِيمُ وَأُخْرَىٰ تُحِبُّونَهَا ۖ نَصْرٌ مِنَ اللَّهِ وَفَتْحٌ قَرِيبٌ ۗ وَبَشِّرِ الْمُؤْمِنِينَ

“Ó fiéis, quereis que vos indique uma troca que vos livre de um castigo doloroso?

É que creiais em Deus e em Seu Mensageiro, e que sacrifiqueis os vossos bens e pessoas pela Sua causa. Isso é o melhor, para vós, se quereis saber.

Ele vos perdoará os pecados e vos introduzirá em jardins, abaixo dos quais correm os rios, bem como nas prazerosas moradas do Jardim do Éden. Tal é o magnífico benefício.

Ademais, conceder-vos-á outra coisa que anelais, ou seja: o socorro de Deus e o triunfo imediato. (Ó Mensageiro), anuncia aos crentes boas novas!” (As Saf | As Fileiras 61/10-13).

Uma das partes neste comércio é o grupo de pessoas que confiam em Deus enquanto a outra parte é o nosso Deus. Este acordo também é mencionado na Torá e no Evangelho:

 

إِنَّ اللَّهَ اشْتَرَىٰ مِنَ الْمُؤْمِنِينَ أَنْفُسَهُمْ وَأَمْوَالَهُمْ بِأَنَّ لَهُمُ الْجَنَّةَ ۚ يُقَاتِلُونَ فِي سَبِيلِ اللَّهِ فَيَقْتُلُونَ وَيُقْتَلُونَ ۖ وَعْدًا عَلَيْهِ حَقًّا فِي التَّوْرَاةِ وَالْإِنْجِيلِ وَالْقُرْآنِ ۚ وَمَنْ أَوْفَىٰ بِعَهْدِهِ مِنَ اللَّهِ ۚ فَاسْتَبْشِرُوا بِبَيْعِكُمُ الَّذِي بَايَعْتُمْ بِهِ ۚ وَذَٰلِكَ هُوَ الْفَوْزُ الْعَظِيمُ

“Deus cobrará dos fiéis o sacrifício de seus bens e pessoas, em troca do Paraíso. Combaterão pela causa de Deus, matarão e serão mortos. É uma promessa infalível, que está registrada na Tora, no Evangelho e no Alcorão. E quem é mais fiel à sua promessa do que Deus? Regozijai-vos, pois, a troca que haveis feito com Ele. Tal é o magnífico benefício.”. (At Taubah | O Arrependimento 9:111).

 

Embora a mentalidade irrealista, fictícia, infundada e emocional que é propagada nesta época, é impossível manter a paz mundial continuamente. Por causa das características do ser humano viciado em seus próprios interesses e em sua preferência pelo mundo em vez da Vida Eterna, os conflitos de interesse ocorrem inevitavelmente. Além disso, o único lugar em que qualquer crime pode ser cometido é neste mundo. Não haverá tanta liberdade no além. Em suma, a guerra é, infelizmente, um assunto da agenda humana em qualquer época da humanidade e continuará como tal. As condições necessárias para a guerra são completamente indicadas no Alcorão, por nosso Senhor. Não apenas isso, quando essas condições são atendidas, é um ato obrigatório para a batalha. Ele ordena:

 

وَقَاتِلُوا فِي سَبِيلِ اللَّهِ الَّذِينَ يُقَاتِلُونَكُمْ وَلَا تَعْتَدُوا ۚ إِنَّ اللَّهَ لَا يُحِبُّ الْمُعْتَدِينَ

“Combatei, 8 pela causa de Deus, aqueles que vos combatem; porém, não pratiqueis agressão, porque Deus não estima os agressores.” (Al Bácara | A Vaca 2/190).

 

As condições mencionadas no Alcorão que valida a guerra podem ser reunidas em quatro títulos:

 

Violação de três linhas críticas

 

As três violações inaceitáveis estão listadas no Alcorão, em Surah al-Mumtahinah. Essas são violações de direitos que são universalmente conhecidas e reconhecidas ao longo da história do homem. Os versos relacionados são os seuintes:

 

لَا يَنْهَاكُمُ اللَّهُ عَنِ الَّذِينَ لَمْ يُقَاتِلُوكُمْ فِي الدِّينِ وَلَمْ يُخْرِجُوكُمْ مِنْ دِيَارِكُمْ أَنْ تَبَرُّوهُمْ وَتُقْسِطُوا إِلَيْهِمْ ۚ إِنَّ اللَّهَ يُحِبُّ الْمُقْسِطِينَ إِنَّمَا يَنْهَاكُمُ اللَّهُ عَنِ الَّذِينَ قَاتَلُوكُمْ فِي الدِّينِ وَأَخْرَجُوكُمْ مِنْ دِيَارِكُمْ وَظَاهَرُوا عَلَىٰ إِخْرَاجِكُمْ أَنْ تَوَلَّوْهُمْ ۚ وَمَنْ يَتَوَلَّهُمْ فَأُولَٰئِكَ هُمُ الظَّالِمُونَ

“Deus nada vos proíbe, quanto àquelas que não nos combateram pela causa da religião e não vos expulsaram dos vossos lares, nem que lideis com eles com gentileza e equidade, porque Deus aprecia os equitativos.

Deus vos proíbe tão-somente entrar em privacidade com aqueles que vos combateram na religião, vos expulsaram de vossos lares ou que cooperaram na vossa expulsão. Em verdade, aqueles que entrarem em privacidade com eles serão iníquos.” (Al Mumtahana | A Examinada 60/8-9).

De acordo com esses dois versículos, aqueles que mereceram interferência acionária são aqueles que:

 

– violou a liberdade de crença religiosa,

 

– violou o direito de habitação,

 

– ou apoiou aqueles que cometeram essas irregularidades.

 

As crenças religiosas das pessoas que cometeram esses erros não estão especificadas no Alcorão. Não é essencial determinar nosso relacionamento com essas pessoas com base em sua religião. É necessário combatê-los, mesmo que eles se considerem muçulmanos.

 

Chamada dos Oprimidos

Outra razão legítima para a batalha mencionada no Alcorão é a presença de comunidades que são perseguidas e despojadas de qualquer capacidade definida. Esses grupos não devem ter que ser muçulmanos para buscar e receber ajuda de nós. A luta por essas pessoas para resgatá-las deve ser considerada uma responsabilidade religiosa.

 

وَمَا لَكُمْ لَا تُقَاتِلُونَ فِي سَبِيلِ اللَّهِ وَالْمُسْتَضْعَفِينَ مِنَ الرِّجَالِ وَالنِّسَاءِ وَالْوِلْدَانِ الَّذِينَ يَقُولُونَ رَبَّنَا أَخْرِجْنَا مِنْ هَٰذِهِ الْقَرْيَةِ الظَّالِمِ أَهْلُهَا وَاجْعَلْ لَنَا مِنْ لَدُنْكَ وَلِيًّا وَاجْعَلْ لَنَا مِنْ لَدُنْكَ نَصِيرًا

“O que vos impede de combater pela causa de Deus e dos indefesos 9, homens, mulheres e crianças? que dizem: Ó Senhor nosso, tira-nos desta cidade (Makka), cujos habitantes são opressores. Designa-nos, de Tua parte, um protetor e um socorredor 10!” (An Nissá | As Mulheres 4:75).

 

Os comandos continuam no próximo versículo, destacando que os muçulmanos são os que lutam por esse objetivo e também indica que os que mostram atitudes opostas, como apoio aos opressores, são aqueles que desconsideram as palavras de Deus e são amigos de Satanás. O comando para batalhar com esses grupos é repetido:

 

الَّذِينَ آمَنُوا يُقَاتِلُونَ فِي سَبِيلِ اللَّهِ ۖ وَالَّذِينَ كَفَرُوا يُقَاتِلُونَ فِي سَبِيلِ الطَّاغُوتِ فَقَاتِلُوا أَوْلِيَاءَ الشَّيْطَانِ ۖ إِنَّ كَيْدَ الشَّيْطَانِ كَانَ ضَعِيفًا

“Os fiéis combatem pela causa de Deus; os incrédulos, ao contrário, combatem pela do sedutor. Combatei, pois, os aliados (279) de Satanás, porque a angústia de Satanás é débil. ” (An Nissá | As Mulheres 4:76).

 

Traição

Ter uma certeza absoluta de que uma das partes de um protocolo de paz violará o curso esperado do acordo também pode ser determinante nesse assunto. Nesse cenário, a garantia de paz com o lado oposto pode ser temporariamente suspensa. O versículo que explica esse status é:

 

وَإِمَّا تَخَافَنَّ مِنْ قَوْمٍ خِيَانَةً فَانْبِذْ إِلَيْهِمْ عَلَىٰ سَوَاءٍ ۚ إِنَّ اللَّهَ لَا يُحِبُّ الْخَائِنِينَ

“Se suspeitas da traição de um povo, rompe o teu pacto do mesmo modo, porque Deus não estima os traidores.” (Al Anfal | Os Espólios 8/58).

 

 

 

Violação de um acordo

Os sinais que mostram a futura violação de um acordo de paz exigem a suspensão do estado passivo pacífico. Portanto, depois de superar esses sinais, a violação completa de um acordo será vista naturalmente como uma razão para a guerra. O Alcorão pergunta e declara:

 

أَلَا تُقَاتِلُونَ قَوْمًا نَكَثُوا أَيْمَانَهُمْ وَهَمُّوا بِإِخْرَاجِ الرَّسُولِ وَهُمْ بَدَءُوكُمْ أَوَّلَ مَرَّةٍ ۚ أَتَخْشَوْنَهُمْ ۚ فَاللَّهُ أَحَقُّ أَنْ تَخْشَوْهُ إِنْ كُنْتُمْ مُؤْمِنِينَ

“Acaso, não combateríeis as pessoas que violassem os seus juramentos, e se propusessem a expulsar o Mensageiro, e fossem os primeiros a vos provocar? Porventura os temeis? Sabei que Deus é mais digno de ser temido, se sois fiéis.” (At Taubah | O Arrependimento 9/13).

 

Uma comunidade judaica, os filhos de Qurayza tinham um acordo de paz com os muçulmanos em Medina. No entanto, eles os traíram na Guerra de Khandaq e recolocaram no lado inimigo. Os muçulmanos começaram a lutar contra eles:

 

وَأَنْزَلَ الَّذِينَ ظَاهَرُوهُمْ مِنْ أَهْلِ الْكِتَابِ مِنْ صَيَاصِيهِمْ وَقَذَفَ فِي قُلُوبِهِمُ الرُّعْبَ فَرِيقًا تَقْتُلُونَ وَتَأْسِرُونَ فَرِيقًا

“E (Deus) desalojou de suas fortalezas os adeptos do Livro11, que o (inimigo) apoiaram, e infundiu o terror em seus corações. Matastes uma parte e capturastes outra12.” (Al Ahzab | Os Partidos 33:26).

 

Sua transferência para o poderoso inimigo não significa que os muçulmanos não responderão a essa traição. Deus colocou medo em seus corações e os removeu de suas mansões.

 

Como visto, a guerra é um ato obrigatório quando as condições exigidas são atualizadas. Para repetir novamente,

 

-violação do direito à liberdade religiosa,

 

-violação do direito de habitação,

 

-e apoiar esses crimes

 

não são ações aceitáveis. Também não é aceitável permanecer como membro da plateia e encarar essas atrocidades. O que está acima de tudo é a obrigação de lutar no caminho de Deus, por razões corretas.

 

PREPARAÇÃO PARA A GUERRA

Quando razões legítimas para a guerra emergem e a batalha se torna inevitável, considerando as tendências naturais da condição humana, o homem começa a prover cada cenário e a considerar todas as oportunidades. Ele utilizará o máximo potencial dado por Deus para se defender e combater. O ferro, cuja rigidez e benefícios são mencionados no Alcorão, é concedido por Deus. O versículo 25 da Surata al-Hadid é significativo sobre o “ferro”. Além disso, como um exemplo do Profeta Davi (que a paz esteja com ele), é dito que a construção de escudos de ferro foi ensinada ao ser humano durante a era de Davi para se proteger em guerras 13

 

É declarado no versículo 60 do capítulo Sura al-Anfal que é uma obrigação definitiva para as comunidades muçulmanas fazerem os preparativos para a guerra.

 

وَأَعِدُّوا لَهُمْ مَا اسْتَطَعْتُمْ مِنْ قُوَّةٍ وَمِنْ رِبَاطِ الْخَيْلِ تُرْهِبُونَ بِهِ عَدُوَّ اللَّهِ وَعَدُوَّكُمْ وَآخَرِينَ مِنْ دُونِهِمْ لَا تَعْلَمُونَهُمُ اللَّهُ يَعْلَمُهُمْ ۚ وَمَا تُنْفِقُوا مِنْ شَيْءٍ فِي سَبِيلِ اللَّهِ يُوَفَّ إِلَيْكُمْ وَأَنْتُمْ لَا تُظْلَمُونَ

“Mobilizai tudo quando dispuserdes, em armas e cavalaria, 14 para intimidar, com isso, o inimigo de Deus e vosso, e se intimidarem ainda outros que não conheceis, mas que Deus bem conhece. Tudo quanto investirdes na causa de Deus, ser-vos á retribuído e não sereis defraudados. ” (Al Anfal | Os Espólios 8/60).

 

Enquanto se refere a facções em guerra que derrotaram grupos que são maiores do que eles numericamente 15, o Alcorão também aponta o equilíbrio de poder entre os lados durante o pré-guerra 16. Nesse sentido, para manter a vantagem nesse equilíbrio de poder, é necessário inovar e melhorar as forças militares continuamente.

 

Além disso, o que também aprendemos com o Alcorão é a necessidade de informar o público sobre a obrigação de guerra nos horários exigidos. As comunidades muçulmanas precisam estar mentalmente prontas para abraçar a ideia de que às vezes a guerra é a única solução para alcançar os resultados pretendidos.

 

يَا أَيُّهَا النَّبِيُّ حَرِّضِ الْمُؤْمِنِينَ عَلَى الْقِتَالِ …

“Ó Profeta, estimula os fiéis ao combate.” (Al Anfal | Os Espólios 8/65).

 

Além disso, a importância de preparativos preliminares, como atividades de coleta de informações, implantação em locais certos, planejamento racional, formação de alianças de maneira sadia, atividades de desgaste psicológico, atenção à confidencialidade das informações sobre a operação e etc., pode ser observada no Alcorão e no exemplo, ações do profeta Maomé (que a paz esteja com ele).

 

O QUE FAZER E NÃO FAZER NA GUERRA

Manter a unidade dos soldados no campo de batalha é essencial. O Deus Todo-Poderoso decreta no Alcorão: “Deus ama aqueles que lutam em Sua causa, em fileiras, como se fossem uma estrutura compacta. 17

 

É preciso dar a vida e nunca fugir do campo de batalha. O verso relevante está abaixo:

 

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا إِذَا لَقِيتُمُ الَّذِينَ كَفَرُوا زَحْفًا فَلَا تُوَلُّوهُمُ الْأَدْبَارَ

“Ó fiéis, quando enfrentardes (em batalha) 18 os incrédulos, não lhes volteis as costas.” (Al Anfal | Os Espólios 8/15).

 

A ameaça de Deus para aqueles que fogem do campo de batalha sem uma razão válida é alarmante:

 

وَمَنْ يُوَلِّهِمْ يَوْمَئِذٍ دُبُرَهُ إِلَّا مُتَحَرِّفًا لِقِتَالٍ أَوْ مُتَحَيِّزًا إِلَىٰ فِئَةٍ فَقَدْ بَاءَ بِغَضَبٍ مِنَ اللَّهِ وَمَأْوَاهُ جَهَنَّمُ ۖ وَبِئْسَ الْمَصِيرُ

“Aquele que, nesse dia, lhes voltar as costas – a menos que seja por estratégia ou para reunir-se com outro grupo – incorrerá na abominação de Deus, e sua morada será o inferno. Que funesto destino!” (Al Anfal | Os Espólios 8/16)

 

É necessário mostrar resistência e lembrar os mandamentos de Deus em relação à guerra durante a guerra:

 

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا إِذَا لَقِيتُمْ فِئَةً فَاثْبُتُوا وَاذْكُرُوا اللَّهَ كَثِيرًا لَعَلَّكُمْ تُفْلِحُونَ

“Ó fiéis, quando vos enfrentardes com o inimigo, sede firmes e mencionai muito Deus, para que prospereis.” (Al Anfal | Os Espólios 8/45).

 

Frivolidade e presunção podem ter consequências graves na guerra. O versículo a seguir sobre a Batalha de Hunayn é um exemplo:

 

لَقَدْ نَصَرَكُمُ اللَّهُ فِي مَوَاطِنَ كَثِيرَةٍ ۙ وَيَوْمَ حُنَيْنٍ ۙ إِذْ أَعْجَبَتْكُمْ كَثْرَتُكُمْ فَلَمْ تُغْنِ عَنْكُمْ شَيْئًا وَضَاقَتْ عَلَيْكُمُ الْأَرْضُ بِمَا رَحُبَتْ ثُمَّ وَلَّيْتُمْ مُدْبِرِينَ

“Deus vos socorreu em muitos campos de batalha – como aconteceu no dia de Hunain,19 quando vos ufanáveis da vossa maioria que de nada vos serviu; e a terra, com toda a sua amplitude, pareceu-vos pequena para empreenderdes a fuga.20” (At Taubah | O Arrependimento 9/25).

 

Todos os requisitos da guerra devem ser cumpridos e devemos fazer o que for necessário durante a batalha. Aprendemos o que está no versículo abaixo:

 

فَإِمَّا تَثْقَفَنَّهُمْ فِي الْحَرْبِ فَشَرِّدْ بِهِمْ مَنْ خَلْفَهُمْ لَعَلَّهُمْ يَذَّكَّرُونَ

“Se os dominardes na guerra, dispersai-os, juntamente com aqueles que os seguem, para que meditem. ” (Al Anfal | Os Espólios 8/57).

 

O quarto verso de Sura Muhammad, que presumimos ser enviado antes da Batalha de Badr, também explica o que é necessário fazer no campo de batalha:

 

فَإِذَا لَقِيتُمُ الَّذِينَ كَفَرُوا فَضَرْبَ الرِّقَابِ حَتَّىٰ إِذَا أَثْخَنْتُمُوهُمْ فَشُدُّوا الْوَثَاقَ فَإِمَّا مَنًّا بَعْدُ وَإِمَّا فِدَاءً حَتَّىٰ تَضَعَ الْحَرْبُ أَوْزَارَهَا ۚ ذَٰلِكَ وَلَوْ يَشَاءُ اللَّهُ لَانْتَصَرَ مِنْهُمْ وَلَٰكِنْ لِيَبْلُوَ بَعْضَكُمْ بِبَعْضٍ ۗ وَالَّذِينَ قُتِلُوا فِي سَبِيلِ اللَّهِ فَلَنْ يُضِلَّ أَعْمَالَهُمْ

“E quando vos enfrentardes com os incrédulos 21, (em batalha), golpeai lhes os pescoços, até que os tenhais dominado 22, e tomai (os sobreviventes) como prisioneiros. Libertai-os, então, por generosidade ou mediante resgate 23, quando a guerra tiver terminado. Tal é a ordem. E se Deus quisesse, Ele mesmo ter-Se-ia livrado deles; porém, (facultou-vos a guerra) para que vos provásseis mutuamente. Quanto àqueles que foram mortos pela causa de Deus 24, Ele jamais desmerecerá as suas obras.” (Muhammad 47:4).

 

Um verso semelhante está abaixo:

 

قَاتِلُوا الَّذِينَ لَا يُؤْمِنُونَ بِاللَّهِ وَلَا بِالْيَوْمِ الْآخِرِ وَلَا يُحَرِّمُونَ مَا حَرَّمَ اللَّهُ وَرَسُولُهُ وَلَا يَدِينُونَ دِينَ الْحَقِّ مِنَ الَّذِينَ أُوتُوا الْكِتَابَ حَتَّىٰ يُعْطُوا الْجِزْيَةَ عَنْ يَدٍ وَهُمْ صَاغِرُونَ

“Combatei aqueles que não creem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Deus e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro, até que, submissos, paguem o Jizya. 25” (At Taubah | O Arrependimento 9/29).

 

“Submissos” durante a guerra significaria ser capturado, e “jizya” é o resgate que os cativos que não foram libertados como um ato de graça terão que pagar. Entendemos pelo versículo a seguir que, durante a guerra realizada contra a tribo judaica de Banu Qurayza, os muçulmanos haviam cumprido os requisitos da guerra e tomados cativos depois de terem reprimido o inimigo no campo de batalha.

 

وَأَنْزَلَ الَّذِينَ ظَاهَرُوهُمْ مِنْ أَهْلِ الْكِتَابِ مِنْ صَيَاصِيهِمْ وَقَذَفَ فِي قُلُوبِهِمُ الرُّعْبَ فَرِيقًا تَقْتُلُونَ وَتَأْسِرُونَ فَرِيقًا

“(Deus) desalojou de suas fortalezas os adeptos do Livro 26, que o (inimigo) apoiaram, e infundiu o terror em seus corações. Matastes uma parte e capturastes outra 27.” (Al Ahzab | Os Partidos 33:26).

 

Começar a capturar cativos sem considerar os princípios mencionados causaria muita dor no campo de batalha e se desviaria dos objetivos da guerra. Os erros cometidos durante a Batalha de Badr custam muito. Os muçulmanos haviam encontrado grande perigo porque tentaram capturar cativos antes de chegar ao estágio mencionado no versículo. A conquista de Meca foi adiada devido a este erro:

 

مَا كَانَ لِنَبِيٍّ أَنْ يَكُونَ لَهُ أَسْرَىٰ حَتَّىٰ يُثْخِنَ فِي الْأَرْضِ ۚ تُرِيدُونَ عَرَضَ الدُّنْيَا وَاللَّهُ يُرِيدُ الْآخِرَةَ ۗ وَاللَّهُ عَزِيزٌ حَكِيمٌ

“Não é dado a profeta algum fazer cativos, antes de lhes haver subjugado inteiramente a região.28 Vós (fiéis), ambicionais o fútil da vida terrena; em troca, Deus quer para vós a bem-aventurança do outro mundo, porque Deus é Poderoso, Prudentíssimo.” (Al Anfal | Os Espólios 8/67).

 

Um erro semelhante cometido na Batalha de Uhud fez com que os muçulmanos ficassem entre dois incêndios e sofressem.

 

Outro ponto a ter em mente em relação à guerra é que é essencial tomar todas as precauções de segurança durante a guerra. O dia 102 da Surata an-Nisa manifesta a importância de tomar as precauções necessárias durante a guerra pelo exemplo da oração (salat).

 

Durante a guerra, tomar medidas contra qualquer propaganda negra é uma obrigação29. Segundo a narração, no caminho de volta de Bani Musthaliq, o Profeta Muhammad não deixou os soldados descansarem e manteve o exército em movimento, a fim de evitar a propaganda de hipócritas entre eles.

 

Como conclusão, é estritamente proibido capturar cativos no campo de batalha antes de tomar todas as medidas necessárias e suprimir completamente o inimigo. Deus enviou um aviso agudo após a Batalha de Badr, desde que esse princípio foi violado.

 

A AJUDA DE DEUS NA GUERRA

O todo-poderoso Deus prometeu ajudar os muçulmanos que vão à guerra por razões legítimas listadas no Alcorão e procurando obter a aprovação de Deus. Ele decretou:

 

إِنَّا لَنَنْصُرُ رُسُلَنَا وَالَّذِينَ آمَنُوا فِي الْحَيَاةِ الدُّنْيَا وَيَوْمَ يَقُومُ الْأَشْهَادُ

“Sabei que secundaremos Nossos mensageiros e os fiéis, na vida terrena e no dia em que se declararem as testemunhas 30.” (Gháfer | O Remissório 40/51).

 

Essa ajuda de Deus não é prometida apenas ao povo do Profeta Muhammad, mas também foi prometida aos crentes do passado em todas as nações anteriores. Os versos relevantes estão abaixo:

 

 

وَلَقَدْ أَرْسَلْنَا مِنْ قَبْلِكَ رُسُلًا إِلَىٰ قَوْمِهِمْ فَجَاءُوهُمْ بِالْبَيِّنَاتِ فَانْتَقَمْنَا مِنَ الَّذِينَ أَجْرَمُوا ۖ وَكَانَ حَقًّا عَلَيْنَا نَصْرُ الْمُؤْمِنِينَ

“Antes de ti, enviamos mensageiros aos seus povos, que lhes apresentaram as evidências. Vingamo-Nos dos pecadores, e era Nosso dever socorrer os fiéis.” (Ar Rum | Os Bizantinos 30/47).

 

وَلَقَدْ سَبَقَتْ كَلِمَتُنَا لِعِبَادِنَا الْمُرْسَلِينَ

“Sem dúvida que foi dada a Nossa palavra aos Nossos servos mensageiros,

 

إِنَّهُمْ لَهُمُ الْمَنْصُورُونَ

De que seriam socorridos. [9]’.

 

وَإِنَّ جُنْدَنَا لَهُمُ الْغَالِبُونَ

E de que os Nossos exércitos sairiam vencedores.” (As Sáfat | Os Enfileirados 37/171-173).

 

A ajuda de Deus nesses versículos é prometida somente depois que todos os requisitos da guerra forem cumpridos. Esperar ajuda quando uma parte inicia uma guerra sem motivos razoáveis do Alcorão ou sem fazer os preparativos necessários, mas apenas pensando “Somos crentes e, portanto, Deus nos ajudará!” Seria em vão.

 

Quando todos os preparativos para a guerra são alcançados e a ajuda de Deus vem, nenhum exército pode derrotar o exército de crentes. Esta é a alegria absoluta dada por Deus. Os crentes devem confiar nesta palavra de Deus, assim como todos os outros versículos que Ele enviou e lutar na causa de Deus, mantendo isso em mente. O versículo a seguir do Alcorão aponta para esse problema:

 

إِنْ يَنْصُرْكُمُ اللَّهُ فَلَا غَالِبَ لَكُمْ ۖ وَإِنْ يَخْذُلْكُمْ فَمَنْ ذَا الَّذِي يَنْصُرُكُمْ مِنْ بَعْدِهِ ۗ وَعَلَى اللَّهِ فَلْيَتَوَكَّلِ الْمُؤْمِنُونَ

“Se Deus vos secundar, ninguém poderá vencer-vos; por outra, se Ele vos esquecer, quem, em vez d’Ele, vos ajudará? Que os fiéis se encomendem a Deus!” (Al ‘Imran | A Família de Imran 3/160).

 

De fato, ninguém pode derrotar o exército de crentes quando ajudado por Deus, mesmo que sejam menos numerosos. Foi assim com as nações anteriores e será o mesmo até o dia do julgamento.

 

Os meios de ajuda de Deus para os muçulmanos são manifestados no Alcorão por vários exemplos. Um deles é a batalha de Badr. Nesta guerra, os crentes haviam caído em uma situação difícil por um tempo, mas Deus os ajudou a derrotar o mushrik de Meca, porque os muçulmanos não haviam violado as regras da guerra. Os versos relacionados a esse assunto estão abaixo:

 

وَلَقَدْ نَصَرَكُمُ اللَّهُ بِبَدْرٍ وَأَنْتُمْ أَذِلَّةٌ ۖ فَاتَّقُوا اللَّهَ لَعَلَّكُمْ تَشْكُرُونَ

Sem dúvida que Deus vos socorreu em Badr 31, quando estáveis em inferioridade de condições. Temei, pois, a Deus e agradecei-Lhe.

 

إِذْ تَقُولُ لِلْمُؤْمِنِينَ أَلَنْ يَكْفِيَكُمْ أَنْ يُمِدَّكُمْ رَبُّكُمْ بِثَلَاثَةِ آلَافٍ مِنَ الْمَلَائِكَةِ مُنْزَلِينَ

E de quando disseste aos fiéis: Não vos basta que vosso Senhor vos socorra com o envio celestial de três mil anjos?

 

بَلَىٰ ۚ إِنْ تَصْبِرُوا وَتَتَّقُوا وَيَأْتُوكُمْ مِنْ فَوْرِهِمْ هَٰذَا يُمْدِدْكُمْ رَبُّكُمْ بِخَمْسَةِ آلَافٍ مِنَ الْمَلَائِكَةِ مُسَوِّمِينَ

Sim! Se fordes perseverantes, temerdes a Deus, e se vos atacarem imediatamente, vosso Senhor vos socorrerá, com cinco mil anjos bem treinados.

 

وَمَا جَعَلَهُ اللَّهُ إِلَّا بُشْرَىٰ لَكُمْ وَلِتَطْمَئِنَّ قُلُوبُكُمْ بِهِ ۗ وَمَا النَّصْرُ إِلَّا مِنْ عِنْدِ اللَّهِ الْعَزِيزِ الْحَكِيمِ

Deus não o fez como anúncio para vós, a fim de sossegar os vossos corações. Sabei que o socorro só emana de Deus, o Poderoso, o Prudentíssimo.

 

لِيَقْطَعَ طَرَفًا مِنَ الَّذِينَ كَفَرُوا أَوْ يَكْبِتَهُمْ فَيَنْقَلِبُوا خَائِبِينَ

Assim o fez para aniquilar uma falange de incrédulos 32e afrontá-los, fazendo com que fugissem frustrados. (Al ‘Imran | A Família de Imran 3/123-127)

 

إِذْ تَسْتَغِيثُونَ رَبَّكُمْ فَاسْتَجَابَ لَكُمْ أَنِّي مُمِدُّكُمْ بِأَلْفٍ مِنَ الْمَلَائِكَةِ مُرْدِفِينَ

“E de quando implorastes o socorro do vosso Senhor e Ele vos atendeu, dizendo: Reforçar-vos-ei com mil anjos, que vos chegarão paulatinamente. 33

 

وَمَا جَعَلَهُ اللَّهُ إِلَّا بُشْرَىٰ وَلِتَطْمَئِنَّ بِهِ قُلُوبُكُمْ ۚ وَمَا النَّصْرُ إِلَّا مِنْ عِنْدِ اللَّهِ ۚ إِنَّ اللَّهَ عَزِيزٌ حَكِيمٌ

Deus não vo-lo vez senão como alvíssaras e segurança para os vossos corações. Sabei que o socorro só emana de Deus, porque é Poderoso, Prudentíssimo.

 

إِذْ يُغَشِّيكُمُ النُّعَاسَ أَمَنَةً مِنْهُ وَيُنَزِّلُ عَلَيْكُمْ مِنَ السَّمَاءِ مَاءً لِيُطَهِّرَكُمْ بِهِ وَيُذْهِبَ عَنْكُمْ رِجْزَ الشَّيْطَانِ وَلِيَرْبِطَ عَلَىٰ قُلُوبِكُمْ وَيُثَبِّتَ بِهِ الْأَقْدَامَ

E de quanto Ele, para vosso sossego, vos envolveu num sono, enviou-vos água do céu para, com ela, vos purificardes, livrardes da imundice de Satanás, e para confortardes os vossos corações e afirmardes os vossos passos.

 

إِذْ يُوحِي رَبُّكَ إِلَى الْمَلَائِكَةِ أَنِّي مَعَكُمْ فَثَبِّتُوا الَّذِينَ آمَنُوا ۚ سَأُلْقِي فِي قُلُوبِ الَّذِينَ كَفَرُوا الرُّعْبَ فَاضْرِبُوا فَوْقَ الْأَعْنَاقِ وَاضْرِبُوا مِنْهُمْ كُلَّ بَنَانٍ

E de quando o teu Senhor revelou aos anjos: Estou convosco; firmeza, pois, aos fiéis! Logo infundirei o terror nos corações dos incrédulos; decapitai-os e decepai lhes os dedos!” (Al Anfal | Os Espólios 8/9-12)

 

Obviamente, o Deus Todo-Poderoso não enviou os anjos para matar os incrédulos, mas como boas-novas aos crentes e tranquilizá-los. O número de muçulmanos era inferior a mil na batalha de Badr. Se três mil anjos tivessem batido o pescoço e as pontas dos dedos de seus inimigos, nenhum mushrik poderia sobreviver34. Portanto, o comando “atacar a nuca e bater na ponta dos dedos” no verso, como sugeriu o famoso estudioso tafsir Fakhraddin Razi35, foi dado aos muçulmanos e não aos anjos. Portanto, os anjos não lutaram com espadas, mas apoiaram os muçulmanos animando e encorajando-os.

 

Deus havia ajudado os muçulmanos de maneira semelhante na Batalha da Trincheira:

 

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا اذْكُرُوا نِعْمَةَ اللَّهِ عَلَيْكُمْ إِذْ جَاءَتْكُمْ جُنُودٌ فَأَرْسَلْنَا عَلَيْهِمْ رِيحًا وَجُنُودًا لَمْ تَرَوْهَا ۚ وَكَانَ اللَّهُ بِمَا تَعْمَلُونَ بَصِيرًا

“Ó fiéis, recordai-vos da graça de Deus para convosco! Quando um exército se abateu sobre vós 36, desencadeamos sobre ele um furacão e um exército invisível (de anjos), pois Deus bem via tudo quanto fazíeis. ” (Al Ahzab | Os Partidos 33:9).

 

Hunain foi outra guerra com a ajuda divina. No início desta guerra, os muçulmanos haviam se afrouxado porque superavam o inimigo. Eles, portanto, tiveram dificuldades por um tempo e tiveram que recuar. Eles ganharam a vitória quando a ajuda de Deus chegou. Os versos relacionados são:

 

لَقَدْ نَصَرَكُمُ اللَّهُ فِي مَوَاطِنَ كَثِيرَةٍ ۙ وَيَوْمَ حُنَيْنٍ ۙ إِذْ أَعْجَبَتْكُمْ كَثْرَتُكُمْ فَلَمْ تُغْنِ عَنْكُمْ شَيْئًا وَضَاقَتْ عَلَيْكُمُ الْأَرْضُ بِمَا رَحُبَتْ ثُمَّ وَلَّيْتُمْ مُدْبِرِينَ

Deus vos socorreu em muitos campos de batalha – como aconteceu no dia de Hunain, quando vos ufanáveis da vossa maioria que de nada vos serviu; e a terra, com toda a sua amplitude, pareceu-vos pequena para empreenderdes a fuga.

 

ثُمَّ أَنْزَلَ اللَّهُ سَكِينَتَهُ عَلَىٰ رَسُولِهِ وَعَلَى الْمُؤْمِنِينَ وَأَنْزَلَ جُنُودًا لَمْ تَرَوْهَا وَعَذَّبَ الَّذِينَ كَفَرُوا ۚ وَذَٰلِكَ جَزَاءُ الْكَافِرِينَ

Então, Deus infundiu a paz ao Seu Mensageiro e aos fiéis, e enviou tropas – que não avistastes – e castigou os incrédulos; tal é a recompensa dos que não crêem.” (At Taubah | O Arrependimento 9/25-26).

 

AS CONSEQUÊNCIAS DA GUERRA

As seguintes notícias divinas para os mártires são condolências sem igual para seus parentes e parentes, bem como um incentivo único para o restante das pessoas em relação a prováveis guerras futuras:

 

وَلَا تَحْسَبَنَّ الَّذِينَ قُتِلُوا فِي سَبِيلِ اللَّهِ أَمْوَاتًا ۚ بَلْ أَحْيَاءٌ عِنْدَ رَبِّهِمْ يُرْزَقُونَ. فَرِحِينَ بِمَا آتَاهُمُ اللَّهُ مِنْ فَضْلِهِ وَيَسْتَبْشِرُونَ بِالَّذِينَ لَمْ يَلْحَقُوا بِهِمْ مِنْ خَلْفِهِمْ أَلَّا خَوْفٌ عَلَيْهِمْ وَلَا هُمْ يَحْزَنُونَ. يَسْتَبْشِرُونَ بِنِعْمَةٍ مِنَ اللَّهِ وَفَضْلٍ وَأَنَّ اللَّهَ لَا يُضِيعُ أَجْرَ الْمُؤْمِنِينَ

“Não creiais que aqueles que sucumbiram pela causa de Deus estejam mortos; ao contrário, vivem, agraciados, ao lado do seu Senhor37.

Estão jubilosos por tudo quanto Deus lhes concedeu da Sua graça, e se regozijam por aqueles que ainda não sucumbiram, porque estes não serão presas do temor, nem se atribularão.

Regozijam-se com a mercê e com a graça de Deus, e Deus jamais frustra a recompensa dos fiéis,” (Al ‘Imran | A Família de Imran 3/169-171).

 

O próximo versículo elogia os veteranos de guerra:

 

الَّذِينَ اسْتَجَابُوا لِلَّهِ وَالرَّسُولِ مِنْ بَعْدِ مَا أَصَابَهُمُ الْقَرْحُ ۚ لِلَّذِينَ أَحْسَنُوا مِنْهُمْ وَاتَّقَوْا أَجْرٌ عَظِيمٌ

“Que, mesmo feridos 38, atendem a Deus e ao Mensageiro. Para os benfeitores e tementes, dentre eles, haverá uma magnífica recompensa.” (Al ‘Imran | A Família de Imran 3/172).

 

A guerra pode terminar em vitória ou derrota. Em caso da derrota, a autocrítica calma e objetiva quanto às razões da derrota pode acrescentar à nossa experiência e pode servir para o nosso benefício até depois de tal frustração.

 

A guerra pode terminar em vitória ou derrota. Em caso de derrota, a autocrítica calma e objetiva em relação aos motivos da derrota pode aumentar a nossa experiência e servir em nosso benefício, mesmo após essa frustração.

 

De fato, os versículos enviados após as guerras de Badr e Uhud manifestaram os erros cometidos durante as guerras. Isso impediu a repetição dos mesmos erros, transformando-os em lições. Da mesma forma, como mencionado no versículo 122 da Surata at-Tawbah, os soldados que retornam de diversos segmentos da sociedade contribuem para o conhecimento das pessoas relatando suas observações quando voltam da batalha.

 

O quarto verso da Surata Muhammad deixa os líderes muçulmanos sem escolha quanto aos cativos, mas libertando-os contra resgate ou como um ato de graça. Isso garante a sobrevivência das pessoas capturadas pelos muçulmanos. Além disso, o Alcorão informa que os cativos estão no status de convidados nas famílias muçulmanas39. Assim, os cativos convidados que estão temporariamente entre as famílias muçulmanas têm a chance de conhecer a religião de Deus, enquanto os muçulmanos têm a oportunidade de fazer um convite exemplar ao Islã por meio de suas ações e mostrando hospitalidade. Por outro lado, os cativos que vivem na sociedade muçulmana no status de convidados podem usar todos os seus direitos civis, incluindo o casamento. Se tiverem dificuldade em obter o resgate devido, são apoiados por certos fundos zakat e itens de expiação. Quando eles retornam à sua terra natal, testemunhando as maneiras mencionadas acima, louvam o Islã entre seu próprio povo, servindo assim como mensageiros voluntários da religião de Deus.

 

A distribuição de despojos de guerra é outra tarefa a ser realizada após a guerra. Os mandamentos do Alcorão decretam que alguns dos despojos da guerra são reservados ao interesse público, assim como aqueles que não foram capazes de participar da guerra. Isso permite que todos os segmentos da sociedade se beneficiem dos ganhos financeiros da guerra. Os versos relacionados são:

 

وَاعْلَمُوا أَنَّمَا غَنِمْتُمْ مِنْ شَيْءٍ فَأَنَّ لِلَّهِ خُمُسَهُ وَلِلرَّسُولِ وَلِذِي الْقُرْبَىٰ وَالْيَتَامَىٰ وَالْمَسَاكِينِ وَابْنِ السَّبِيلِ إِنْ كُنْتُمْ آمَنْتُمْ بِاللَّهِ وَمَا أَنْزَلْنَا عَلَىٰ عَبْدِنَا يَوْمَ الْفُرْقَانِ يَوْمَ الْتَقَى الْجَمْعَانِ ۗ وَاللَّهُ عَلَىٰ كُلِّ شَيْءٍ قَدِيرٌ

“E sabei que, de tudo quanto adquirirdes de despojos, a quinta parte(550) pertencerá a Deus, ao Mensageiro e aos seus parentes, aos órfãos, aos indigentes e ao viajante; se fordes crentes em Deus e no que foi revelado ao Nosso servo no Dia do Discernimento, em que se enfrentaram os dois grupos, sabei que Deus é Onipotente.” (Al Anfal | Os Espólios 8h41).

 

CONCLUSÃO

Embora seja uma circunstância não apreciada, a guerra faz parte da vida. Visto que Deus é a autoridade em todas as áreas da vida, Ele determinou a concepção mundial de guerra. Neste trabalho chamado “Os Princípios Universais da Guerra”, esse assunto foi abordado em uma estrutura geral através da referência aos versos do Alcorão.

 

Este humilde estudo revela que até a própria guerra pode ser transformada em um elemento construtivo da humanidade se for executada por muçulmanos que se comportam de acordo com a narrativa de guerra de Deus. Este estudo também pode ser visto como uma base para os pesquisadores que desejam se concentrar neste mesmo tópico. Políticos, engenheiros sociais, estrategistas e especialistas militares e outros indivíduos de diferentes camadas da vida profissional devem fazer uso dos versículos e ideias que são apresentados neste artigo e alcançar sabedoria sobre esse tema para complementar a literatura com uma lente adicional e servir o público.

 

 

Este estudo é um trabalho coletivo do Dr. Fatih Orum, Dr. Yahya Senol, Erdem Uygan e Vedat Yılmaz; e publicado na 24ª edição da revista trimestral “Kitap ve Hikmet (Livro e Sabedoria)”, publicada pela Fundação Suleymaniye.

  1. ar-Rum 30:30
  2. A permissão para que um povo virtuoso lute contra outro povo feroz e amante da desordem era plenamente justificada, quando a pequena comunidade muçulmana não apenas lutava pela sua própria existência, contra os coraixitas de Makka, mas pela existência da Fé no Único e Verdadeiro Deus. Eles tinham tanto direito de estar em Makka e orar na Caaba quanto os coraixitas; contudo, foram exilados por causa da sua Fé. Isso afetou, não a fé de um povo em particular; o princípio envolvido era o de todos os fiéis: judeus, cristãos e muçulmanos, e o de todas as fundações, erigidas para usos religiosos.

    As querelas individuais são mais fáceis de ser resolvidas do que as dos grupos, ou, no mundo moderno, as querelas de âmbito nacional. A coletividade islâmica, porém, deveria ser a mais importante, entre os grupos ou as nações. Seria de se esperar que agisse com justiça e tratasse de resolver as querelas, pois a paz é melhor do que guerra. Se uma parte, porém, estiver determinada a ser agressora, toda a força da comunidade deverá combatê-la. A condição essencial, certamente, é que haja perfeita eqüidade, justiça e consideração aos princípios superiores.

    Os muçulmanos de Madina haviam trazido animais para o sacrifício e haviam vestido o Ihram, a vestimenta da peregrinação (ver versículo 197 da 2ª Surata). Eles não foram apenas proibidos de entrar em Makka, mas também lhes foi proibido levar os animais para o local de sacrifício. Este foi efetuado, então, em Hudaibiya.

    Na época, havia em Makka muçulmanos de ambos os sexos, e a crença de alguns deles era desconhecida dos seus irmãos de Madina. Se a luta tivesse sido iniciada em Makka, mesmo os muçulmanos tendo tido sucesso, poderiam inadvertidamente matar alguns desses muçulmanos desconhecidos, e assim cometeriam o pecado de derramar sangue de muçulmanos. Isto foi evitado pelo tratado.

  3. A coragem de Mohammad era tão notável quanto o eram seu critério, sua gentileza e sua confiança em Deus. Ao encarar circunstâncias temerosas, frequentemente era deixado a sós, e assumia a inteira responsabilidade. Todavia, o seu exemplo e a sua palpável confiança em Deus inspiravam e incentivavam os muçulmanos, além de conter a fúria dos seus inimigos, ao considerarmos que ele era o inspirado Mensageiro de Deus, encarregado de desenvolver o Plano d’Ele, constatamos que nada pode resistir a tal Plano. Se acontece de o inimigo ter solidez, poder ou recursos, saibamos que a solidez, o poder e os recursos de Deus são infinitamente maiores.
  4. As querelas individuais são mais fáceis de ser resolvidas do que as dos grupos, ou, no mundo moderno, as querelas de âmbito nacional. A coletividade islâmica, porém, deveria ser a mais importante, entre os grupos ou as nações. Seria de se esperar que agisse com justiça e tratasse de resolver as querelas, pois a paz é melhor do que guerra. Se uma parte, porém, estiver determinada a ser agressora, toda a força da comunidade deverá combatê-la. A condição essencial, certamente, é que haja perfeita eqüidade, justiça e consideração aos princípios superiores.
  5. al-Furqan 25:68
  6. Os muçulmanos de Madina haviam trazido animais para o sacrifício e haviam vestido o Ihram, a vestimenta da peregrinação (ver versículo 197 da 2ª Surata). Eles não foram apenas proibidos de entrar em Makka, mas também lhes foi proibido levar os animais para o local de sacrifício. Este foi efetuado, então, em Hudaibiya.
  7. Na época, havia em Makka muçulmanos de ambos os sexos, e a crença de alguns deles era desconhecida dos seus irmãos de Madina. Se a luta tivesse sido iniciada em Makka, mesmo os muçulmanos tendo tido sucesso, poderiam inadvertidamente matar alguns desses muçulmanos desconhecidos, e assim cometeriam o pecado de derramar sangue de muçulmanos. Isto foi evitado pelo tratado.
  8. 77. A guerra somente é permissível em defesa própria, e com limite bem definidos. Uma vez empreendida, ela deve ser conduzida com vigor, não de modo implacável, mas no sentido de restabelecer a paz e a liberdade de culto a Deus. De qualquer modo, os limites rigorosos não devem ser transgredidos; as mulheres, as plantações não devem ser extirpadas, nem tampouco a paz deve ser negada quando o inimigo a propõe.
  9. Mustadh’af – aquele reconhecidamente fraco e, por conseguinte, maltratado e oprimido. Comparar com o versículo 98 desta surata, e com o 150 da 7ª Surata.
  10. Mesmo do ponto de vista humano, a causa de Deus é a causa da justiça, a causa dos oprimidos. Por ocasião da grande perseguição, antes de Makka ser reconquistada, quanta desgraça, ameaça, tortura e opressão não foram suportadas por aqueles de fé inquebrantável! As vidas de Mohammad e de seus aderentes foram ameaçadas; eles era ridicularizados, assediados, insultados, surrados; aqueles ao alcance das mãos dos inimigos era postos a ferros e lançados ao cárcere; outros foram boicotados, proscritos do comércio e dos negócios, banidos das relações sociais; não podiam, nem mesmo comprar o alimento de que necessitava, nem cumprir os deveres religiosos. A perseguição foi redobrada quanto aos escravos, às mulheres e às crianças crédulas, depois da Hégira. Seus clamores por um protetor e auxiliador da parte de Deus foram respondidos quando Mohammad propiciou, novamente, a liberdade e a paz a Makka.
  11. Isto é com referência à tribo judaica dos Banu Curaiza. Eles contavam-se entre os cidadãos de Madina e estavam obrigados, por solenes promessas, a ajudar na defesa da cidade. Porém, na ocasião do sítio confederado, feito pelos coraixitas e seus aliados, eles se congraçaram com os inimigos, e traiçoeiramente os ajudaram. Imediatamente após o sítio terminar, e os confederados fugirem com calorosa pressa, o Profeta voltou a sua atenção para aqueles “amigos” traidores, que haviam traído a sua cidade, na hora do perigo.
  12. Os Banu Curaiza ficaram aterrorizados quando a cidade de Madina ficou livre do perito coraixita. Eles se enclausuraram em seus castelos, cerca de 4 ou 5 km a leste de Madina, e agüentaram um cerco, que durou 25 dias, após o que se renderam, estipulando que se entregariam, pela decisão de seu destino, mas mãos de Saad Ibn Moaz, chefe da tribo Aus, com o qual haviam estado em aliança. Saad julgou segundo o que está descrito na Lei Judaica: “O Senhor, teu Deus, a dará na tua mão; e todo o macho que houver nela passarás ao fio da espada, salvo somente as mulheres, e as crianças, e os animais; e tudo o que houver na cidade, todos os seus despojos, tomarás para ti; e comerás os despojos dos teus inimigos os que te deu a Senhor teu Deus” (Deuteronômio 20:13-14). Os homens Curaiza foram executados, mas mulheres foram vendidas como cativas de guerra, e suas terras e propriedades foram divididas entre os Muhajirin.
  13. al-Anbiya 21:80
  14. A ocasião imediata desta injunção foi quanto à fraqueza da cavalaria, e às ordenações de guerra nos primeiros combates do Islam. Porém, o significado, de caráter genérico, se segue. Em todos os combates, sejam materiais, morais ou espirituais, muni-vos das melhores armas e armamentos contra o vosso inimigo, a ponto de lhes imprimirdes inteiriço respeito, por vós e pela Causa por que lutais.
  15. al-Baqarah 2:249
  16. al-Anfal 8:65-66
  17. as-Saf 61:4
  18. As leis que regem os combates espirituais são exatamente iguais àquelas impostas pela virtude e disciplina militares. Enfrentai o vosso inimigo franca e diretamente; não afoita e atabalhoadamente, mas depois dos devidos preparos. O verbo zahfan, no texto (enfrentardes), implica em um proceder lento e bem planejado para com um exército hostil. Uma vez em combate, ide até o fim; não há lugar para pensamentos outros. Morte ou vitória deverá ser o lema de todo o soldado; poderá haver morte para ele, individualmente, mas se ele tiver fé, haverá triunfo para a sua causa, em ambos os casos. Duas exceções são reconhecidas: recuar para melhor saltar para a frente, ou enganar o inimigo, por meio de retiradas estratégicas; se um indivíduo ou um destacamento estiver, pelas circunstâncias da batalha, isolado de sua força, poderá recuar até ela, a fim de dar prosseguimento à batalha. Não há virtude alguma no mero combate solitário. Cada indivíduo deverá usar a sua vida e os seus recursos, da melhor maneira possível, pela causa comum.
  19. Hunain fica no caminho que vai de Taif a Makka, a cerca de 22 km a leste desta cidade. Trata-se de um vale, numa região montanhosa. Imediatamente após a conquista de Makka, os idólatras pagãos, que estavam a um tempo surpresos e humilhados com a brilhante recepção que o Islam estava tendo, organizaram um tremendo ajuntamento próximo a Taif, a fim de traçar planos de ataque ao Mensageiro. As tribos de Hawzan e de Sa-quif tomaram a liderança, e prepararam uma colossal expedição com destino a Makka, jactando-se de seu poderio e tirocínio militar. Havia, por outro lado, uma onda de confidente entusiasmado por parte dos muçulmanos, em Makka, à qual se juntaram novos muçulmanos. A força inimiga contava com cerca de 4.000 homens, e a força dos muçulmanos atingia um total de 10.000 ou 12.000 homens, uma vez que todos a ela se queriam juntar. A batalha foi travada em Hunain, como descrito na nota seguinte.
  20. Pela primeira vez os muçulmanos gozaram de uma tremenda vantagem, e isso foi em Hunain. No entanto, aquilo, por si só, constituía um perigo. Muitos, em suas fileiras, foram tomados mais pelo entusiasmo do que por um espírito de sapiência, mais por um espírito de ufania do que de fé e confiança na virtuosidade da sua causa. O inimigo gozava das vantagens de conhecer completamente o terreno. Ele encetou uma emboscada na qual a vanguarda dos muçulmanos foi apanhada. E por ser a região montanhosa, fácil se tornava ao inimigo ali se entocaiar. Tão logo a vanguarda muçulmana entrou no vale de Hunain, o inimigo caiu em cima deles com fúria tal, que causou uma verdadeira devastação com suas flechas, que partiam de suas tocaias. Em tais circunstâncias, a vantagem numérica dos muçulmanos constituía, já, uma desvantagem. Muitos foram mortos, e muitos voltaram, em confusão e retirada. O Mensageiro, porém, como sempre, mantinham-se calmo em sua sapiência e fé. Ele reagrupou as suas forças, e infligiu ao inimigo a mais fragorosa derrota.
  21. Uma vez a luta iniciada, participai dela como todo o vigor e desferi os vossos golpes nos pontos mais vitais. Não podeis manipular a guerra com luvas de pelica.
  22. No primeiro ataque haverá, necessariamente, grandes perdas de vidas; mas quando o inimigo estiver completamente batido, não mais estando apto a investir contra a verdade, firmes arranjos devem ser efetuados, para colocá-lo sob controle. Comparar com o versículo 67 da 8ª Surata.
  23. Quando o inimigo estiver sob controle, a libertação dos prisioneiros, com ou sem resgate, é recomendada.
  24. Há duas alternativas de leitura: Cátalu (lutaram) e cútilu (foram mortos). O significado da primeira alternativa é mais amplo e inclui a Segunda. Traduzimo-la de acordo com a segunda alternativa, baseados no texto da edição egípcia de Alazhar.
  25. Jizya; o significado é compensação. O significado derivado, que se tornou um significado técnico, era uma capitação exigida daqueles que não aceitavam o Islam, mas que concordavam em viverem sob a sua proteção, estando, deste modo, tacitamente disposto a se submeterem aos ideais impostos pelo Estado Muçulmano, salvo apenas a sua liberdade pessoal de consciência, com relação a eles mesmos. Não havia uma quantia fixa para isso e, de qualquer modo, aquilo era simbólico – uma conscientização de que eles cuja religião era tolerada, por seu turno, não deveriam interferir com a pregação e o progresso do Islam. O Imam Chafi’i acha que a contribuição seria de um dinar por ano, que seria o dinar árabe de ouro, corrente nos Estados Muçulmanos. Ver a nota do versículo 75 da 3ª Surata. A taxa variada de quantia, havendo exceções para os pobres, para as mulheres e crianças (segundo Abu Hanifa), para os escravos, e para os monges ermitões; constituindo-se de uma taxa sobre pessoas fisicamente capazes e em idade para o serviço militar, aquilo seria, de certo modo, uma comutação para este serviço.
  26. Isto é com referência à tribo judaica dos Banu Curaiza. Eles contavam-se entre os cidadãos de Madina e estavam obrigados, por solenes promessas, a ajudar na defesa da cidade. Porém, na ocasião do sítio confederado, feito pelos coraixitas e seus aliados, eles se congraçaram com os inimigos, e traiçoeiramente os ajudaram. Imediatamente após o sítio terminar, e os confederados fugirem com calorosa pressa, o Profeta voltou a sua atenção para aqueles “amigos” traidores, que haviam traído a sua cidade, na hora do perigo.
  27. Os Banu Curaiza ficaram aterrorizados quando a cidade de Madina ficou livre do perito coraixita. Eles se enclausuraram em seus castelos, cerca de 4 ou 5 km a leste de Madina, e agüentaram um cerco, que durou 25 dias, após o que se renderam, estipulando que se entregariam, pela decisão de seu destino, mas mãos de Saad Ibn Moaz, chefe da tribo Aus, com o qual haviam estado em aliança. Saad julgou segundo o que está descrito na Lei Judaica: “O Senhor, teu Deus, a dará na tua mão; e todo o macho que houver nela passarás ao fio da espada, salvo somente as mulheres, e as crianças, e os animais; e tudo o que houver na cidade, todos os seus despojos, tomarás para ti; e comerás os despojos dos teus inimigos os que te deu a Senhor teu Deus” (Deuteronômio 20:13-14). Os homens Curaiza foram executados, mas mulheres foram vendidas como cativas de guerra, e suas terras e propriedades foram divididas entre os Muhajirin.
  28. A destruição e a matança, conquanto repugnantes a uma alma meiga como a de Mohammad, eram inevitáveis, quando o mal tentava sobrepujar o bem. Até Jesus, cuja missão era mais limitada, teve de dizer: “Não julgueis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer-lhes paz, mas espada” (Mateus, 10:34). Em Badr foram feitos 70 prisioneiros, e foi decidido que se pediria resgate por eles. Enquanto o princípio genérico de combater por este propósito, ou seja, o de fazer prisioneiros para conseguir seus respectivos resgates, é condenável, a ação particular, neste caso, foi aprovada nos versículos 68-71 desta surata.
  29. an-Nisa 4/83; Al-e Imran 3:173.
  30. O Dia do Julgamento é descrito como “O Dia em que se declararem as testemunhas”. Este descrição implica em duas coisas: que lá os homens serão julgados com justiça; suas ações passadas e suas faculdades e oportunidades serão testemunhas do uso a que foram submetidas (24ª Surata, versículo 24); como de fato, o próprio homem será testemunha contra si próprio (6ª Surata, versículo 130); e que os profetas e os justos testemunharão que pregaram e admoestaram os homens (39ª Surata, versículo 69; 2ª Surata, versículo 133.
  31. Badr dista aproximadamente 80 km de Madina, e o encontro entre muçulmanos e coraixitas deu-se numa terça-feira, 17 de Ramadan do ano 2H – 13 de março de 624 d.C. Foi a primeira batalha entre os muçulmanos e os idólatras coraixitas. O número de combatentes muçulmanos era de aproximadamente 300, providos de 70 camelos e 2 cavalos, ao passo que o número de combatentes inimigos se elevava a 1.000, providos de todo o tipo de armamento. A batalha terminou com a vitória dos muçulmanos. É considerada como a mais importante batalha, pois foi a primeira vitória dos muçulmanos sobre os idólatras.
  32. Uma falange de incrédulos: uma extremidade, um fim tanto superior como inferior. Aqui talvez a passagem deva significar que os chefes dos idólatras de Makka, que chegaram para exterminar os muçulmanos, com tal confiança, voltaram frustrados em seus propósitos. A desavergonhada voracidade com que eles e suas companheiras mutilaram os cadáveres dos muçulmanos, no campo de batalha, deixara indelevelmente patenteada a sua eterna infância. Isso talvez servisse para demonstrar a sua real natureza a alguns dos que lutaram por eles, um dos quais, Khaled Ibn al Walid, não somente aceitou, depois, o Islã, mas ainda se tornou um dos seus mais notáveis paladinos. Ele estava com os muçulmanos na conquista de Makka e, mais tarde, conseguiu destacadas honrarias na Síria e no Iraque.
  33. Comparar com os versículos 123, 125 e 126 da 3ª Surata. A qualidade de anjos – 1.000, em Badr, e 3.500 em Uhud – provavelmente não deve ser tomada literalmente, mas sim expressar um fortalecimento, pelo menos igual, ao do inimigo.
  34. Como Fakhr al-Din al-Razi nos informa, alguns dos estudiosos afirmaram que os anjos não lutavam pessoalmente com Badr, mas apoiavam os muçulmanos, aumentavam em número, encorajavam. Caso contrário, até o poder de um anjo seria suficiente para destruir tudo na terra porque Gabriel arruinou as cidades de Lot e o povo de Thamud com apenas uma pena de sua asa e destruiu o povo do Profeta Saleh com apenas um grito alto. . Razi continua: “A expressão ‘Deus fez isso meramente como boas novas’ no verso é evidência de que os anjos não foram enviados para lutar pessoalmente”. (Fakhr al-Din al-Razi, al-Tafsir al-Kabir, 3ª ed, Dar Ihya al-Turath al-Arabi, Beirute, 1999, v.5, p.460 – Comentário sobre o versículo 10, Surah al-Anfal)
  35. al-Razi, cit., V.5, p.463 (Comentário no versículo 12, Sura al-Anfal)
  36. Neste versículo estão sumariados o começo e o fim do esforço fatídico do sítio de Madina, no ano 5 da Hégira. Havia a composição de uma Confederação de idólatras, que chegara para destruir o Islam. Eles chegaram com uma força compreendendo de dez a doze mil combatentes – um exército jamais visto naquele tempo e naquele país. A batalha ficou conhecida como a Batalha da Trincheira. Após uma cerrada investida, que durou de duas a quatro semanas, durante as quais o inimigo ficou desencorajado devido aos sucessivos fracassos, houve uma dilacerante rajada de vento frio, vinda do Leste. Aquele foi um inverno rigoroso, pois o mês de fevereiro pode ser um mês muitíssimo frio em Madina, que fica a 750 m acima do nível do mar. As tendas do inimigo foram rasgadas, suas fogueiras apagadas e a areia e a chuva fustigaram-lhes os rostos, e eles ficaram aterrorizados com os portentos que se abatiam contra eles. Decidindo, entre si, empreender uma retirada apressada, foram embora.
  37. Uma bela passagem acerca dos mártires pela causa da verdade. Eles não estão mortos; vivem, num sentido mais altruístico e profundo do que o da vida que deixaram. Mesmo aqueles que não acreditam no além-túmulo, honram as memórias dos que perecem por nobres causas colocando a coroa da imortalidade nas mentes e nas memórias das gerações ainda por nascer. Mas, no caso da fé, nós divisamos uma mais elevada, mais verdadeira e menos relativa imortalidade. Quem sabe, “imortalidade” não seja a palavra certa nesta contextura, uma vez que também implica na continuidade desta vida. No caso deles, através do portal da morte, adentram a verdadeira e real vida, em oposição à sua sombra aqui. A nossa vida carnal é sustentada por alimentação material, e suas alegrias e seus prazeres, no que há de melhor, são aqueles projetados na tela do nosso mundo corpóreo.
  38. Depois da confusão em Uhud, os homens passaram a se reagrupar em torno do Mensageiro. Este estava ferido e eles também, mas todos estavam prontos para combater novamente. Abu Sufian e seus idólatras se retiraram, mas lançaram um desafio, no sentido de encontrar o Profeta e seu exército, novamente, na feira de Badr, no ano seguinte. O desafio foi aceito, e um grupo de muçulmanos, escolhidos a dedo, sob a direção do seu intrépido líder, cumpriu a palavra, mas o inimigo não compareceu. Os muçulmanos voltaram, não apenas ilesos, mas enriquecidos pelos negócios que fizeram na feira e (presume-se) fortificados pelo acréscimo de novos aderentes à sua causa.
  39. Insan 76:8.

Posts

Most Viewed Posts