Islão e Alcorão
Os Direitos da Mulher no Divórcio

Os Direitos da Mulher no Divórcio

[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” margin_top=”” margin_bottom=”” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”3_4″ layout=”4_5″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_title hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” content_align=”left” size=”1″ font_size=”” line_height=”” letter_spacing=”” margin_top=”” margin_bottom=”” text_color=”” style_type=”default” sep_color=””]

Os Direitos da Mulher no Divórcio

[/fusion_title][fusion_title hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” content_align=”left” size=”1″ font_size=”” line_height=”” letter_spacing=”” margin_top=”” margin_bottom=”” text_color=”” style_type=”default” sep_color=””]

Quais os Direitos da Mulher no Divórcio?

[/fusion_title][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_4″ layout=”1_5″ spacing=”” center_content=”no” hover_type=”none” link=”” min_height=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”left top” background_repeat=”no-repeat” border_size=”0″ border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=”” last=”no”][fusion_imageframe image_id=”2623″ max_width=”” style_type=”dropshadow” stylecolor=”” hover_type=”zoomin” bordersize=”” bordercolor=”” borderradius=”” align=”none” lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” alt=”Os Direitos da Mulher no Divórcio” link=”http://www.islaoealcorao.com/os-direitos-da-mulher-no-divorcio” linktarget=”_self” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=””]https://www.islaoealcorao.com/wp-content/uploads/2018/07/Os-Direitos-da-Mulher-no-Divórcio.png[/fusion_imageframe][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” center_content=”no” last=”no” min_height=”” hover_type=”none” link=””][fusion_text columns=”” column_min_width=”” column_spacing=”” rule_style=”default” rule_size=”” rule_color=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””]

Allah, Glorificado seja diz:


الطَّلاَقُ مَرَّتَانِ فَإِمْسَاكٌ بِمَعْرُوفٍ أَوْ تَسْرِيحٌ بِإِحْسَانٍ وَلاَ يَحِلُّ لَكُمْ أَن تَأْخُذُواْ مِمَّا آتَيْتُمُوهُنَّ شَيْئًا إِلاَّ أَن يَخَافَا أَلاَّ يُقِيمَا حُدُودَ اللّهِ فَإِنْ خِفْتُمْ أَلاَّ يُقِيمَا حُدُودَ اللّهِ فَلاَ جُنَاحَ عَلَيْهِمَا فِيمَا افْتَدَتْ بِهِ تِلْكَ حُدُودُ اللّهِ فَلاَ تَعْتَدُوهَا وَمَن يَتَعَدَّ حُدُودَ اللّهِ فَأُوْلَئِكَ هُمُ الظَّالِمُونَ

“O divórcio revogável só poderá ser efetuado duas vezes. Depois, tereis de conservá-las convosco dignamente ou separar-vos com benevolência. Está-vos vedado tirar-lhes algo de tudo quanto lhes haveis dotado, a menos que ambos temam contrariar as leis de Deus. Se temerdes (vós juizes) que ambos as contrariem, não serão recriminados, se ela der algo pela vossa liberdade. Tais são os limites de Deus, não os ultrapasseis, pois; aqueles que os ultrapassarem serão iníquos.” (Al Bácara 2/229)

Uma mulher, que se preocupa que seu casamento não pode continuar, informa as autoridades sobre esta situação. Se as autoridades concordarem com ela neste ponto elas dão à mulher o direito de divorciar -iftida-. Se a mulher decide se divorciar, ela devolve ao marido qualquer coisa ela pegou dele como mehr. A expressão apoiada no verso: “algo de tudo quanto lhes haveis dotado” pode ser entendido como tanto a quantidade total de mehr ou como uma parte específica dele. O vamor a ser pago é decidido pelas autoridades. Se o marido é decidido não ser culpado e ter cumprido seu dever como um marido, a mulher é suposta para reembolsar a quantidade inteira.

A autoridade acima mencionada é o tribunal.Se o tribunal estiver ausente, a autoridade é dada para um árbitro. Em casos certos, o tribunal pode entregar o caso a um árbitro único, também. Nos exemplos dados abaixo, as mulheres levaram seus casos ao Profeta Muhammad (saw) ou a Umar (r.a.) o vice-rei:

Yahya relatou-me de Malik de Yahya ibn Said que Amra bint Abd ar-Rahman disse-lhe de Habiba bint Sahl al-Ansari que ela tinha sido a esposa de Sabit ibn Qays ibn Shammas. O Mensageiro de Allah (saw) saiu para a oração do amanhecer, e encontrou Habiba bint Sahl em sua porta na escuridão. O Mensageiro Muhammad (saw) disse a ela, “Quem é este?” Ela disse: “Eu sou Habiba bint Sahl, Mensageiro de Allah”. Ele disse: “O que você quer?” Ela disse: “Que Thabit ibn Qays e eu nos separamos”. Quando seu marido, Sabit ibn Qays veio, o Mensageiro de Allah (saw) disse a ele, “Este é Habiba bint Sahl. Ela mencionou o que Deus quis que ela mencionasse. ” Habiba disse: “Mensageiro de Allah, tudo o que ele me deu está comigo!” O Mensageiro de Allah (p.b.u.h.) disse a Sabit ibn Qays, “Tire isso dela”, e ele o tirou dela, e ela ficou na casa de sua família. “  1

Narrações diferentes sobre o assunto são as seguintes:

“A esposa de Sabit Kays disse: Eu não a culpo nos termos da moralidade ou da religião, mas eu não quero ser ingrato depois que eu me torno um muçulmano. Não consigo 2. Não consigo evitar a odiar dele 3 Se eu não tivesse temor de Deus, eu cuspiria ao rosto dele quando ele vem ao meu lado” 4

Habiba era vizinha do nosso Profeta. Sabit tinha batido nela5. Ele era um homem temperamental6. Ela odeia que o seu marido, mas seu marido gostava muito dela7. “

O Mensageiro de Allah, quando ele disse:” Você iria devolver o jardim que ele lhe deu? “Habiba disse que ele poderia dar ainda mais. O Mensageiro de Deus: “Não mais, mas dê seu jardim” 8

“Uma vez que uma mulher veio a Umar b. Al-Khattab e queixou-se de seu marido. A mulher foi presa em uma cabana de palha e colmo para passar a noite lá. Na manhã, Omer foi até a cabana e perguntou à mulher sobre sua noite. Ela respondeu que nunca tinha tido que uma noite brilhante. Então Omer perguntou à mulher sobre o marido. Ela o elogiou e mais tarde acrescentou: Ela o elogiou e mais tarde acrescentou “Ele é o que é, mas eu não posso ajudá-lo.” Após este evento Omer concondou com pedido da mulher para divorciar de seu marido; Ele permitiu ela para usar seu direito de divórcio (iftida) “. 9

O propósito de Omer era entender se a mulher viveu ou não junto com seu marido. Nem nosso Profeta, nem Omer perguntaram às mulheres o motivo de seus ódios.

Este versículo ilumina a questão do direito da mulher ao divórcio.

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُوا إِذَا جَاءكُمُ الْمُؤْمِنَاتُ مُهَاجِرَاتٍ فَامْتَحِنُوهُنَّ اللَّهُ أَعْلَمُ بِإِيمَانِهِنَّ فَإِنْ عَلِمْتُمُوهُنَّ مُؤْمِنَاتٍ فَلَا تَرْجِعُوهُنَّ إِلَى الْكُفَّارِ لَا هُنَّ حِلٌّ لَّهُمْ وَلَا هُمْ يَحِلُّونَ لَهُنَّ وَآتُوهُم مَّا أَنفَقُوا وَلَا جُنَاحَ عَلَيْكُمْ أَن تَنكِحُوهُنَّ إِذَا آتَيْتُمُوهُنَّ أُجُورَهُنَّ وَلَا تُمْسِكُوا بِعِصَمِ الْكَوَافِرِ وَاسْأَلُوا مَا أَنفَقْتُمْ وَلْيَسْأَلُوا مَا أَنفَقُوا ذَلِكُمْ حُكْمُ اللَّهِ يَحْكُمُ بَيْنَكُمْ وَاللَّهُ عَلِيمٌ حَكِيمٌ

“Ó fiéis, quando se vos apresentarem as fugitivas fiéis, examinai-as, muito embora Deus conheça a sua fé melhor do que ninguém; porém, se as julgardes fiéis, não as restituais aos incrédulos, porquanto elas não lhes cabem por direito, nem eles a elas; porém, restituí o que eles gastaram (com os seus dotes). Não sereis recriminados se as desposardes, contanto que as doteis; porém, não vos apegueis à tutela das incrédulas, mas exigi a restituição do que gastastes no seu dote; e que (os incrédulos), por sua vez, exijam o que gastaram. Tal é o Juízo de Deus, com que vos julga, porque Deus é Sapiente, Prudentíssimo.” (Mumtahine, 60/10)

Um dos decretos do acordo de Hudaibiyya, feito entre nosso Profeta e os infiéis de Meca, era assim:

“Mesmo que o crente de sua religião cada homem da nossa comunidade que vem para participar você (e seus seguidores) é obrigado a ser devolvido de volta à sua comunidade.”

Após este acordo um grupo de muçulmanas de Meca veio ao Profeta, em Hudaibiyya. Foi sobre este evento quando o verso anterior foi revelado.10 Como as mulheres não foram incluídas na categoria mencionada no acordo, o Profeta se comportou de acordo com o versículo e não os devolveu à sua tribo.11 O tópico do verso anterior é especialmente as mulheres casadas que por suas crenças religiosas vieram encontrar abrigo entre os Muçulmanos. Essa ação empreendida por essas mulheres mostra sua decisão de se divorciar de seus maridos. No entanto, por outro lado, havia mulheres muçulmanas que permaneceram em Meca porque não tomaram essa decisão. Em relação a Hudeybiye, Allah,Glorificado seja, diz:

هُمُ الَّذِينَ كَفَرُوا وَصَدُّوكُمْ عَنِ الْمَسْجِدِ الْحَرَامِ وَالْهَدْيَ مَعْكُوفًا أَنْ يَبْلُغَ مَحِلَّهُ ۚ وَلَوْلَا رِجَالٌ مُؤْمِنُونَ وَنِسَاءٌ مُؤْمِنَاتٌ لَمْ تَعْلَمُوهُمْ أَنْ تَطَئُوهُمْ فَتُصِيبَكُمْ مِنْهُمْ مَعَرَّةٌ بِغَيْرِ عِلْمٍ ۖ لِيُدْخِلَ اللَّهُ فِي رَحْمَتِهِ مَنْ يَشَاءُ ۚ لَوْ تَزَيَّلُوا لَعَذَّبْنَا الَّذِينَ كَفَرُوا مِنْهُمْ عَذَابًا أَلِيمًا

“Foram eles, os incrédulos, os que vos impediram de entrar na Mesquita Sagrada e impediram que a oferenda chegasse ao seu destino. E se não houvesse sido por uns homens e mulheres fiéis, que não podíeis, distinguir, e que poderíeis ter morto sem o saber, incorrendo, assim, inconscientemente, num crime hediondo, Ter-vos-íamos facultado combatê-lo; foi assim estabelecido, para que Deus pudesse agraciar com a Sua misericórdia quem Lhe aprouvesse. Se vos tivesse sido possível separá-los, teríamos afrontado os incrédulos com um doloroso castigo.” (Fath 48/25)

Vamos analisar o verso 10º da sura Mumtahina em seções.

1- “Ó fiéis, quando se vos apresentarem as fugitivas fiéis, examinai-as, muito embora Deus conheça a sua fé melhor do que ninguém; porém, se as julgardes fiéis, não as restituais aos incrédulos, porquanto elas não lhes cabem por direito, nem eles a elas; “

A migração de mulher significa abandonar seu marido, filhos, família e cidade natal. Foi requerido testar e examinar o motivo que levou ela a abandonar tudo. Este é um exame feito para entender se verdadeiramente o motivo que  levou ela a deixar tudo é a sua fé. Este julgamento – se concluído positivamente – levará a uma carga material para os muçulmanos, como o reconhecimento do divórcio desta forma é nada menos que um processo de ‘iftida’. Após esse processo, aquelas mulheres não são halal aos seus maridos mais. No entanto, juntamente com a rescisão do processo a mulher é suposto para voltar as despesas que seu marido fez por ela. Isto é comandado na seguinte declaração do versículo:

2- porém, restituí o que eles gastaram (com os seus dotes).

As despesas mencionadas são semelhantes às taxas pagas pela Habiba ao Sabit b. Qays. Como as mulheres migrantes, obviamente, não tinham proprietária, os muçulmanos foram ordenados a pagar suas taxas. Depois, essas mulheres eram livres para casar com outros homens, se quisessem. Isso foi enfatizado na seguinte parte do versículo:

3- Não sereis recriminados se as desposardes, contanto que as doteis; porém,

O verso aponta para que as taxas que os muçulmanos pagaram por essas mulheres aos maridos anteriores foi uma doação. Caso eles se casem novamente, eles não precisam pagar de volta os doadores com dinheiro de dote dado a eles por seus novos maridos. Há um outro fato que deve ser enfatizado em relação a este assunto; Nem neste versículo, nem em Baqara 2:29, nem no hadith de Habibe, a mulher que pede o divórcio de seu marido é encarregada de esperar o período prescrito. O comando de esperar o tempo prescrito para as mulheres é solicitado somente após a primeira e segunda vez do divórcio, quando isso é declarado pelo marido (talaq). Esta proibição foi estabelecida para ajudar a conciliação da família, se possível; Não é um escrutínio feito a fim de identificar a existência de um bebê comum no ventre da mulher.

Esta inspeção pode ser concluída dentro de um círculo menstrual e um período puro e é chamado de istibra; O que é essencial para o divórcio pronunciado pela mulher -iftida-.

Este versículo contém mandamentos relacionados ao direito privado internacional. O versículo equipa as mulheres não-muçulmanas em um casamento com um muçulmano, com os mesmos direitos dados às mulheres muçulmanas. Isso pode ser notado na próxima parte do versículo:

4- não vos apegueis à tutela das incrédulas, ( و لا تمسكوا بعصم الكوافر )

A palavra (ISAM = عصم) é a forma plural do (ISMAH = عصمة). Ismah significa prevenção e proteção em árabe.12 Mulher está sob proteção de seu marido. Por esta razão, pode interferir  alguns comportamentos dela. Nesta parte do versículo, o sujeito são as mulheres incrédulas, que queriam se divorciar de seus maridos muçulmanos e ir para Meca. O comando: “não vos apegueis à tutela das incrédulas” significa “não obstaculizar estas mulheres”. O asunto tem um lado social e governamental; Portanto, ao mesmo tempo, sugere não obstaculizá-los se quiserem emigrar. No dia em que isso foi revelado, Omer libertou suas duas esposas incrédulas. Elas migraram para Meca, uma delas se casou com Abu Sufian e a outra se casou com Safwan b. Umaiyya. 13 Abu Sufian converteu-se ao Islã durante a conquista de Meca, enquanto Safwan b. Umaiyya converteu-se ao Islã após a batalha de Hunain.14 Sua aspiração de não viver com um marido muçulmano certamente é uma razão legítima para uma mulher descrente pedir o divórcio. A terminação do processo de divórcio é totalmente e solitário relacionado com o pagamento de volta do que ela tem de seu marido. A declaração relacionada neste versículo é:

5- e que (os incrédulos), por sua vez,

Em outras palavras, assim como Habiba, as mulheres não-muçulmanas estão livres quando darem seus dotes de volta.

6- exijam o que gastaram.

como os muçulmanos têm o direito de pedir suas despesas, os não-muçulmanos também têm o direito de pedir  deles. Se as esposas não-muçulmanas dos homens muçulmanos emigrarem para as terras, onde vivem as pessoas de suas crenças religiosas e seus maridos anteriores não são capazes de obter suas despesas, só então é o comando indicado abaixo aplicado.

وَإِنْ فَاتَكُمْ شَيْءٌ مِنْ أَزْوَاجِكُمْ إِلَى الْكُفَّارِ فَعَاقَبْتُمْ فَآتُوا الَّذِينَ ذَهَبَتْ أَزْوَاجُهُمْ مِثْلَ مَا أَنْفَقُوا ۚ وَاتَّقُوا اللَّهَ الَّذِي أَنْتُمْ بِهِ مُؤْمِنُونَ

“Se alguma de vossas esposas fugir para os incrédulos, e depois tiverdes acesso (a uma mulher deles), restituí àqueles cujas esposas houverem fugido o equivalente ao que haviam gasto (com os seus dotes). E temei a Deus, em Quem credes.” (Mumtahina 60/11)

Para concluir, os versículos do Alcorão deram a mulher o direito ao divórcio; Além disso, o Profeta esclareceu este tópico aplicando este tipo de divórcio.

Prof. Dr. Abdülaziz Bayındır

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]
  1. – Al-Muvatta’ Talaq 11.
  2. – Bukhârî, Talâq 13.
  3. – Ibn Mājah, Talaq 22.
  4. – Ibn Mājah, Talâq 22.
  5. Darimi, Talâq, 7.
  6. İbn Sa’d, VIII/326 (relatou de Ârim b. Fadl Hammad ibn Zeyd, ele relatou de Yahya b. Said b. Kays b. Amr b. Sehl.)
  7. Kurtubî, Tafsir, III/95.
  8. Shawqânî , VI/277
  9. Mâlik b. Anas, Mudavvanah, II/34
  10. Bukhârî, Shurut, 15.
  11. Safiyyurrahman al-Mubarakfûrî, ar- Rahîk’ul-mahtûm, Beirut – Libanon, 1408/1988, s. 314.
  12. al-Fayrûzâbâdî, al- Basâir,artigo  عصم
  13. Buhârî, Shurut 15. Buhârî, escreveu que Omar divorciou sua esposa. Traduzimos essa palavra como “liberou”. Porque as pessoas que narram hadithes não narram literalmente mas narram com significados que ficaram nas suas mentes. Bukhari começou seu estudo de hadith em 205 de calendario lunar. Faleceu em 256. Entre o evento e ele tem 220 anos. Como se viu o iftida foi esquecido depos da epoca do sahabah. E mukhalaa ocupou lugar dele. Nesse sentido as pessoas que narram hadithes consideram todos casos assim como divorcio, é normal.
  14. Muvatta’, Nikah, 20.

Posts

Most Viewed Posts