Islão e Alcorão
Oração Conhecida por Todos

A Oração Conhecida por Todos

 

INTRODUÇÃO

É vulgarmente conhecido entre as pessoas a oração é ensinada pela primeira vez ao Mensageiro de Deus e não havia como a oração antes. Podemos ver que mesmo algumas pessoas que têm reputação aos olhos das pessoas e que são vistas como pessoas de jurisprudência, caem nesse equívoco.

O fato de o sujeito da oração se basear em informações falsas e incompletas nas mentes revela muitos problemas e pontos de interrogação. Na base de muitos problemas, há alguns equívocos, como a deterioração da percepção corânica da pessoa, a deterioração do sentido da revelação, a deterioração da percepção da natividade, a deterioração da percepção da religião.

Neste artigo, tentaremos revelar uma percepção corânica sobre a oração.

FAZER ORAÇÃO

Existe a oração no Alcorão? Você pode me mostrar do Alcorão como fazer a oração?

Você pode ter feito essas perguntas antes, ou você pode ter encontrado as perguntas semelhantes. Na verdade, essas perguntas são indicativas de muitos problemas. No início destas, as percepções do Alcorão e da religião não são formadas corretamente.

O que tem no Alcorão, o que não precisa ter?

Existem autorizações de um rasul (mensageiro) ou nabi (profeta) para colocar-tirar algo (tashri) na religião?

Existe alguma fonte de que as pessoas tenham que acreditar fora do Alcorão?

Se as respostas dessas e outras questões não forem colocadas corretamente na mente da pessoa, torna-se impossível ter uma compreensão correta da religião.

Vamos então tentar entender a percepção corânica e como e onde o Mensageiro de Allah aprendeu as adorações no início, especialmente a oração.

O que não é necessário para ocupar um lugar no Alcorão?

Em primeiro lugar, não devemos esquecer que o Alcorão não é a primeira mensagem que foi revelado para a humanidade. Antes disso, Allah ensinou à humanidade o que precisa saber para adorá-Lo.

Allah, Glorificado seja, diz:

نَزَّلَ عَلَيْكَ الْكِتَابَ بِالْحَقِّ مُصَدِّقاً لِّمَا بَيْنَ يَدَيْهِ وَأَنزَلَ التَّوْرَاةَ وَالإِنجِيلَ* مِن قَبْلُ هُدًى لِّلنَّاسِ وَأَنزَلَ الْفُرْقَانَ إِنَّ الَّذِينَ كَفَرُواْ بِآيَاتِ اللّهِ لَهُمْ عَذَابٌ شَدِيدٌ وَاللّهُ عَزِيزٌ ذُو انتِقَامٍ

Ele te revelou (ó Mohammad) o Livro (paulatinamente) com a verdade, corroborante dos anteriores, assim como havia revelado a Tora e o Evangelho, Anteriormente, para servir de orientação aos humanos, e revelou ainda o Furcan 1.  Aqueles que negarem os versículos de Allah sofrerão um severo castigo, Allah é Punidor, Poderosíssimo. (3/3,4)

O Alcorão confirma as aplicações corretas das nações anteriores. Por isso ele não tenta dizer coisas conhecidas novamente. Portanto, as coisas conhecidas não foram explicadas no Alcorão.

Por exemplo:

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُواْ كُتِبَ عَلَيْكُمُ الصِّيَامُ كَمَا كُتِبَ عَلَى الَّذِينَ مِن قَبْلِكُمْ لَعَلَّكُمْ تَتَّقُونَ

“Ó crentes, está-vos prescrito o jejum, tal como foi prescrito aos vossos antepassados, para que temais a Allah.” (2/183)

Desde que este versículo foi revelado, os muçulmanos começaram a jejuar. No entanto, como se vê, o versículo não contém as informações sobre como jejuar, quando começar – terminar e as proibições de jejum. Como os muçulmanos começaram a jejuar quando no verso não foi explicado como jejuar?

O povo do livro jejuava o dia todo quando este verso foi revelado, 2 eles não costumavam comer e beber à noite e ter relações sexuais. Allah, Glorificado seja, diz:

“tal como foi prescrito aos vossos antepassados…”

Os muçulmanos começaram a jejuar como foi prescrito aos seus antepassados de acordo com o verso acima.

Mas, quando os muçulmanos tiveram dificuldade de jejuar como seus antepassados, Allah enviou versos facilitadores.

أُحِلَّ لَكُمْ لَيْلَةَ الصِّيَامِ الرَّفَثُ إِلَى نِسَآئِكُمْ هُنَّ لِبَاسٌ لَّكُمْ وَأَنتُمْ لِبَاسٌ لَّهُنَّ عَلِمَ اللّهُ أَنَّكُمْ كُنتُمْ تَخْتانُونَ أَنفُسَكُمْ فَتَابَ عَلَيْكُمْ وَعَفَا عَنكُمْ فَالآنَ بَاشِرُوهُنَّ وَابْتَغُواْ مَا كَتَبَ اللّهُ لَكُمْ وَكُلُواْ وَاشْرَبُواْ حَتَّى يَتَبَيَّنَ لَكُمُ الْخَيْطُ الأَبْيَضُ مِنَ الْخَيْطِ الأَسْوَدِ مِنَ الْفَجْرِ ثُمَّ أَتِمُّواْ الصِّيَامَ إِلَى الَّليْلِ وَلاَ تُبَاشِرُوهُنَّ وَأَنتُمْ عَاكِفُونَ فِي الْمَسَاجِدِ تِلْكَ حُدُودُ اللّهِ فَلاَ تَقْرَبُوهَا كَذَلِكَ يُبَيِّنُ اللّهُ آيَاتِهِ لِلنَّاسِ لَعَلَّهُمْ يَتَّقُونَ

“Está-vos permitido, nas noites do jejum, acercar-vos de vossas mulheres, porque elas são vossas vestimentas e vós o sois delas. Allah sabe o que vós fazíeis secretamente; porém, absolve-vos e vos perdoa.  Acercai-vos agora delas e desfrutai do que Allah vos prescreveu.  Comei e bebei até à alvorada, quando puderdes distinguir o fio branco do fio negro.  Retornai, então, ao jejum, até ao anoitecer, e não vos acerqueis delas enquanto estiverdes retraídos nas mesquitas.  Tais são as normas de Allah; não as transgridais de modo algum.  Assim Allah elucida os Seus versículos aos humanos, a fim de que O temam.” (2/187)

Este é um dos versos de que as tradicionalistas que afirma que o Nabi tem autoridade de tashri leva isso como uma evidência. As seguintes expressões no verso são notáveis:

“Está-vos permitido, nas noites do jejum, acercar-vos de vossas mulheres, “

“Allah sabe o que vós fazíeis secretamente; porém, absolve-vos e vos perdoa. “
“Acercai-vos agora delas e desfrutai do que Allah vos prescreveu. “

Não há veredicto no Alcorão que proíbe ter relações sexuais na noite dos dias de jejum. Então, qual é o significado da dificuldade dos muçulmanos de ter relações sexuais com seus cônjuges nas noites dos dias de jejum? De acordo com a interpretação tradicional, a proibição de relações sexuais com os cônjuges nas noites de jejum mostra a autorização do poder de julgamento do profeta além do Alcorão.

No entanto, quando as conexões entre os versos são estabelecidas de forma saudável e os princípios de naskh (anulação) são levados em conta, é fácil entender que a proibição de relações sexuais entre cônjuge à noite é estabelecida em Bácara no verso 183.

No exemplo de jejum que damos acima, entendemos o seguinte: Allah não pode elaborar uma coisa conhecida no Alcorão. Mas se um aplicativo é conhecido, o verso definitivamente costumava ser revelado para torná-lo obrigatório. Se verso compulsivo não é revelado sobre uma aplicação conhecida em seguida muçulmanos são assumidos para serem dispensados. Por exemplo: apesar de ser ‘proibição do sábado’ ser obrigatório tornou-se lícito para nós porque o alcorão não disse nada sobre isso.

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُواْ لاَ تَسْأَلُواْ عَنْ أَشْيَاء إِن تُبْدَ لَكُمْ تَسُؤْكُمْ وَإِن تَسْأَلُواْ عَنْهَا حِينَ يُنَزَّلُ الْقُرْآنُ تُبْدَ لَكُمْ عَفَا اللّهُ عَنْهَا وَاللّهُ غَفُورٌ حَلِيمٌ

“Ó crentes, não interrogueis acerca de coisas que, se vos fossem reveladas, atribular-vos-iam.  Mas se perguntardes por elas, quando o Alcorão tiver sido revelado, ser-vos-ão explicadas.  Allah perdoa a vossa impaciência, porque é Tolerante, Indulgentíssimo.” (5/101)

Vamos dar um exemplo de que não há necessidade de explicar sobre coisas conhecidas:

الْحَجُّ أَشْهُرٌ مَّعْلُومَاتٌ فَمَن فَرَضَ فِيهِنَّ الْحَجَّ فَلاَ رَفَثَ وَلاَ فُسُوقَ وَلاَ جِدَالَ…

“A peregrinação se realiza em meses determinados. Quem a empreender, deverá abster-se das relações sexuais da perversidade e da polêmica….” (2/197)

No Alcorão, nunca é indicado em nenhum versículo que meses eles são. Não há necessidade de explicar algo que é conhecido por todos. Se Deus traga uma prática diferente do que é conhecido, então Ele revela um versículo como o verso Bácara 187 que permite comer, beber e ter relações sexuais na noite dos dias de jejum. Se Deus quisesse mudar os meses de peregrinação, definitivamente ele enviaria um verso que indica quais meses eles são. Este é o sistema da Sunna de Allah.

Fazer Oração e Alcorão

Uma ordem para rezar no Alcorão geralmente é vista da seguinte maneira:

…وَأَقِيمُوا الصَّلَاةَ وَآتُوا الزَّكَاةَ

“…observai a oração, pagai o zakat” (73/20)

No início da palavra “As-Salah”, a palavra “Al” é prefixo definitivo. É usado para coisas já conhecidas pelos interlocutores. Todos os muçulmanos, especialmente o Profeta, que leram este verso, entenderam muito bem de que oração Allah estava falando quando ele disse: “observai a oração” como o exemplo jejum que foi mencionado acima.

E então eles começaram a orar como o Povo do Livro orava. É uma prova disso que eles viraram seus rostos para Jerusalém (Bayt al Maqdis) e realizaram suas orações. Porque o povo do livro costumava virar seus rostos para Jerusalém e orar 3. Uma vez que a ordem “observai a oração” contém virar o rosto para Jerusalém, não foi revelado no nenhum verso sobre esse assunto conhecido.

É altamente provável que o Mensageiro de Allah observou a oração antes do Islã. A este respeito, Assoc. Dr. Zeki Bayraktar diz:

“Pode-se dizer que os muçulmanos hanif e até mesmo povo do livro oraram constantemente (o Alcorão relata isso)4, é possível dizer que a pessoa que será o Mensageiro de Allah não observou a oração até a idade de 40 anos? Claro que não!” 5

Hoje em dia, no judaísmo rabínico, o horário das orações e as genuflexões são os seguintes6:

 

Na mesma fonte, os formulários de oração são descritos da seguinte maneira:

 

(נשיאת ידים) (Nisiyat Kapayim): Levantar as mãos no começo

 

(עמידה) (‘amidah): Qiyam

 

(בריכה) (Breikhah): Rucu’ é realizado uma vez em cada genuflexão

 

(קידה) (Qidah): A prostração é feita duas vezes em cada genuflexão.

 

(כריעה) (Kri’ah): Sentar ajoelhando-se

 

(עשה שלום) (Oseh Shalom): Saudar aos dois lados 7 É óbvio que povo do livro observa as cinco orações até hoje, além da oração noturna, o resto está no mesmo horário. O motivo da diferença na oração noturna deve ser um tema de pesquisa separado.

Sobre as orações das nações anteriores e dos muçulmanos, Assoc. Dr. no seu livro, Zeki Bayraktar diz:

“Como se vê, o Alcorão até nos disse que a única aplicação invalidada (naskh) sobre a oração é qibla e até a razão disso (para distinguir aqueles que obedecem ao Mensageiro). Não existe outra prática invalidada relacionada com a oração. Portanto, não há diferença entre as nossas orações e as orações de nações anteriores, exceto a Qibla. “8

Devemos saber que Allah não enviou o Mensageiro para revelar práticas diferentes dos anteriores, mas para confirmar as práticas autênticas dos anteriores e corrigir com Alcorão os que eles degeneraram pelo tempo com. O seguinte versículo afirma: isso

قُلْ مَا كُنتُ بِدْعًا مِّنْ الرُّسُلِ وَمَا أَدْرِي مَا يُفْعَلُ بِي وَلَا بِكُمْ إِنْ أَتَّبِعُ إِلَّا مَا يُوحَى إِلَيَّ وَمَا أَنَا إِلَّا نَذِيرٌ مُّبِينٌ

“Dize:  Não sou um inovador entre os mensageiros 9, nem sei o que será de mim ou de vós.  Não sigo mais do que aquilo que me tem sido revelado, não sou mais do que um elucidativo admoestador.” (46/9)

Como já mencionamos, é absolutamente necessário verso revelado quando uma mudança for feita na prática conhecida. Esta é a razão pela qual não havia nenhum versículo sobre a qibla deve ser Jerusalém, mas o versículo foi revelado que indica qibla é alterado. Uma é uma prática conhecida, não há necessidade de ter um verso. O outro é a mudança da prática conhecida.

Então, em resumo: Uma vez que o que já é conhecido não é necessário para ser descrito no Alcorão, Mensageiro de Allah e os muçulmanos oravam da maneira que o povo do livro faz. Nenhuma outra revelação veio fora do Alcorão sobre como fazer oração. No entanto, os versículos regulatórios sobre a oração foram revelados. O mensageiro de Allah fez algumas mudanças na oração que ele faz olhando para o povo do livro, considerando esses versículos, por exemplo, a razão pela qual o verso descritivo da forma da ablução foi revelado é porque não havia mash (passar mão molhada) nas práticas anteriores, o Alcorão mudou.

Uma vez que Allah dirige o Profeta e os Muçulmanos a uma prática conhecida, devemos orar observando a prática conhecida hoje.  Porque as adorações, como a oração, são transferidas para as próximas gerações experimentando, vendo.

Em termos de melhor compreensão do assunto, vamos finalmente ver o seguinte verso:

إِنَّنِي أَنَا اللَّهُ لَا إِلَهَ إِلَّا أَنَا فَاعْبُدْنِي وَأَقِمِ الصَّلَاةَ لِذِكْرِي

“Sou Allah.  Não há divindade além de Mim.  Adora-Me, pois, e observa a oração, para celebrares o Meu nome.” (20/14)

Quando olhamos para o verso acima, vemos que Allah ordena para Moisés como “observa a oração”, mas, como Moisés (a.s) sabia a oração, por isso não perguntou para Allah: “O que a oração? “Como observar a oração?  O mesmo foi válido para o Mensageiro de Allah quando o verso “Observa a oração” foi revelado.

Vedat YILMAZ

 

  1. Furkan vem da raiz “farc/diferença”. É o significado que revela a diferença entre certo e errado.
  2. Fasting in the Jewish Tradition, Rabbi Arnold BIENSTOCK
  3. Shubert SPERO, Turning to Jarusalem in Prayer.
  4. 3/113,114; 6/92
  5. Zeki BAYRAKTAR, Kur’an ve Sünnet ama Hangi Sünnet, s.195, Süleymaniye Vakfı Yay.
  6. Tracing the derivation of prayer positions from Torah, to Temple times, to Modern Practice, Ben ABRAHAMSON.
  7. Ben ABRAHAMSON, ibid
  8. Zeki BAYRAKTAR, ibid 203
  9. A palavra “بدعا” “Bid’an”; bid’at significa trazer algo diferente, o que não é antecipado.

Posts

Most Viewed Posts