Islão e Alcorão
Assassinatos-de-ISIS-e-Cativos-de-Banu-Qurayza

Assassinatos de Estado Islâmico e Cativos de Banu Qurayza

 

Assassinatos de Estado Islâmico e Cativos de Banu Qurayza

 

Estado Islâmico justifica seus atos violentos usando os versículos do Alcorão e as narrações do Profeta Muhammad (ﷺ). Eles citam parte do verso At Tauba 9:5 “…matai os idólatras, onde quer que os acheis”, dividindo a frase e tirando a expressão do seu contexto.  Eles também dizem que a escravização das mulheres está escrita em livros de jurisprudência islâmica. (ver: o que está escrito no Alcorão sobre mulheres escravizadas.1)

Além disso, eles alegam que o Mensageiro de Deus (ﷺ) também fez o mesmo para a tribo judaica da Madina Banu Qurayza. De acordo com as alegações de Estado Islâmico:
“O número de cativos de Banu Qurayza foi de cerca de 900. Eles foram mortos da mesma forma que Estado Islâmico matou as pessoas nos dias de hoje, e suas mulheres haviam sido escravizadas e vendidas em bazares.

Prestem atenção por favor! Não estamos falando de um assassinato comum, mas estar mortos como ovelhas, pegados de seus cabelos e suas gargantas estar mortos. Infelizmente, a mesma narração toma seu lugar em livros históricos muçulmanos. Mas como isso é verdade? Veremos isso:

Madina é uma grande cidade em que haviam sido duas grandes tribos árabes chamadas Aws e Khazraj. Segundo o historiador famoso Muhammad Hamidullah, havia 20 pequenas tribos judaicas. Os maiores deles eram; Nadir, Kaynuka e Qurayza. Quando o Mensageiro de Deus (ﷺ) tinha migrado para Madina, ele havia feito um acordo com todos eles; os judeus e os árabes. É chamado de “Acordo Madina”. Eles fizeram um acordo sobre muitos artigos e disseram: “Madina pertence a todos nós, vivemos aqui, se houver um ataque a nossa cidade Madina, vamos lutar contra todos para defendê-la”.

No entanto, durante a Batalha das Trenches, Banu Qurayza ajudou os politeístas de Mecca, em vez de defender a cidade. Isso também é indicado no Alcorão.

Vamos ver os princípios do Alcorão sobre a luta contra os não-muçulmanos. Na surata Mumtahina, existem três linhas vermelhas que justificam a luta contra os não-muçulmanos. Os muçulmanos podem lutar contra os não-muçulmanos apenas se os não-muçulmanos ultrapassarem esses limites:

1) se eles começam uma guerra contra os muçulmanos por causa de sua religião.

2) se expulsarem os muçulmanos da sua pátria.

3) se eles apoiam as pessoas que expulsam os muçulmanos das suas terras.

Se alguém comete um destes ele comete um crime de guerra e os muçulmanos podem começar a guerra contra eles de acordo com este verso.

Por isso, Banu Qurayza cometeu o terceiro crime e Rasulullah (ﷺ) iniciou a guerra contra Banu Qurayza após a Batalha das Trenches.

Nos livros de história islâmica é relacionado da seguinte forma:

“Eles não podiam ousar lutar contra os muçulmanos, eles temiam e aceitaram a arbitragem de Sad b. Muaz, que tinha sido aliado deles antes da migração do Mensageiro Muhammad (ﷺ). Finalmente, Sad b. Muaz decide que todos os homens que podem lutar entre eles devem ser mortos. De acordo com a narração, eles aceitam essa decisão. O número deles era 40 de acordo com uma narração, ou entre 600-800 de acordo com outra narração mais popular, ou no máximo 900. Aqueles homens foram tirados de castelo deles, levados a Madina e presos em uma casa. Mais tarde, eles foram levados para a feira e a picada e a pá foram dados para cavar os seus próprios túmulos. E então Ali e Zubair bin Awwam foram nomeados para matar os 900 homens, usando o mesmo método que o Estado Islâmico faz hoje.”

A fonte desta narração é apenas uma pessoa: é Ibn Ishaq, e depois dele seu aluno Ibn Hisham; e depois dele a narração se espalha. Após a compilação de hadices, essas narrações aparaceram nos livros hadices como Bukhari, Muslim e outros em formas diferentes.

Não há narração dos Companheiros de Muhammad (ﷺ).  Este é o primeiro ponto vital, porque um incidente tão dramático teria sido dito a mais de uma pessoa, especialmente pelos Companheiros, se tivesse realmente ocorrido.

O outro é Muhammad Hamidullah, que é o historiador mais famoso da História do Islã, diz: “Em todas as guerras do Mensageiro Muhammad (ﷺ), os nomes das pessoas que morreram e mataram são conhecidos e declarados pelo nome. Quantos não-muçulmanos foram mortos em Badr, Uhud, Trenches, Khaibar? Todos eles são claros com nomes e datas. E o número é de 250 no total. Rasulullah (saws) vive 10 anos após sua imigração e o número de mortos não muçulmanos é de 250. Mas a reivindicação é 900 em um único incidente! “ 2

Por sinal, este evento aconteceu no mercado e não há companheiro para narrar isso!!!

Além disso, ele diz: “Os judeus registram todo esse tipo de eventos importantes. Por exemplo: “Em Jerusalém houve um ataque de romanos, perdemos esse número de pessoas, aconteceu assim …, etc.” Babilônia e os outros também. Embora todos esses eventos tenham sido registrados na história judaica, eles não se referiram a esse incidente em qualquer lugar. Isso é realmente interessante. “

E também, de acordo com a narração, suas esposas e seus filhos foram levados para um lugar chamado Najd e alguns ficaram em Madina. Imagine que, este evento se tornou realidade, você poderia esquecer? Nem os judeus nem os muçulmanos poderiam esquecer isso. No entanto, não havia sido mencionado em qualquer lugar.

Além disso, não há narração no livro de Imam Malik, que nos fornece as narrações mais fortes relacionadas ao período de Madina. Imam Malik diz em seu livro sobre Ibn Ishaq: “Nenhuma das narrações que ele fala sobre judeus tem base ou é confiável. Este homem é um diabo entre dos demônios!”. Hisham ibn Urwa, que é contemporâneo de Imam Malik, também rejeita as narrações de Ibn Ishaq e o chama de mentiroso.

Embora os estudiosos contemporâneos mais confiáveis de Ibn Ishaq não tomem a narração que ele conta sem uma cadeia de narração (sanad), os estudiosos da próxima geração levam essa narração em seus livros e a espalham. Portanto, essas narrações foram assumidas como verdadeiras, e vieram ao nosso dia e a nossa epoca sem ser criticadas. Embora seja infundada e não pode mesmo ser considerado como “hadice” do ponto de vista da ciência hadice.

 

  1. Prisioneiros de Guerra, Escravidão e Concubinato 
  2. Islão religião de paz ou guerra?

Most Viewed Posts