Satanás e Infidelidade

Satanás é chamado incrédulo, mas ele sabe que Deus existe. É por causa de sua rebelião que se tornou incrédulo?

Por que Satanás se tornou incrédulo

Incrédulo sabe que Deus existe e é único mas o ignora1. A infidelidade é uma ação consciente, cada infiel está ciente de sua própria posição. Por esse motivo, nenhum deles depende de uma razão sólida. Quando ele tem que se defender, ele desvia os fatos. Os versos sobre a desvio de Lúcifer são bons exemplos disso. Allah, o Glorificado seja, diz:

وَلَقَدْ خَلَقْنَاكُمْ ثُمَّ صَوَّرْنَاكُمْ ثُمَّ قُلْنَا لِلْمَلآئِكَةِ اسْجُدُواْ لآدَمَ فَسَجَدُواْ إِلاَّ إِبْلِيسَ لَمْ يَكُن مِّنَ السَّاجِدِينَ * قَالَ مَا مَنَعَكَ أَلاَّ تَسْجُدَ إِذْ أَمَرْتُكَ قَالَ أَنَاْ خَيْرٌ مِّنْهُ خَلَقْتَنِي مِن نَّارٍ وَخَلَقْتَهُ مِن طِينٍ

“Criamo-vos e vos demos configuração,2 então dissemos aos anjos: Prostrais-vos ante Adão! E todos se prostraram, menos Lúcifer, que se recusou a ser dos prostrados.

Perguntou-lhe (Deus): Que foi que te impediu de prostrar-te, embora to tivéssemos ordenado? Respondeu: Sou superior a ele; a mim criaste do fogo, e a ele do barro.3” (Al ’Araf | Os Cismos 7:11-12)

Iblis não gostou da ordem de se prostrar diante de Adão. Ele ignorou a ordem de Allah e agiu como contra Adão. Ele não teve a coragem de se opor a Deus diretamente. Porque ele sabia que devia tudo a Deus e que Ele mesmo o criou.

قَالَ أَنَا خَيْرٌ مِّنْهُ خَلَقْتَنِي مِن نَّارٍ وَخَلَقْتَهُ مِن طِينٍ

“Respondeu: Sou superior a ele; a mim me criaste do fogo, e a ele de barro.” (Sad 38:76)

قَالَ لَمْ أَكُن لِّأَسْجُدَ لِبَشَرٍ خَلَقْتَهُ مِن صَلْصَالٍ مِّنْ حَمَإٍ مَّسْنُونٍ

“Respondeu: É inadmissível que me prostre ante um ser que criaste de argila, de barro modelável.” (Al Hijr 15:33)

O castigo que ele mereceu não atrasou. Allah disse-lhe o seguinte:

قَالَ فَاهْبِطْ مِنْهَا فَمَا يَكُونُ لَكَ أَن تَتَكَبَّرَ فِيهَا فَاخْرُجْ إِنَّكَ مِنَ الصَّاغِرِينَ

“Disse-lhe: Desce daqui (do Paraíso), porque aqui não é permitido te ensoberbeceres. Vai-te daqui, porque és um dos abjetos!” (Al ’Araf | Os Cismos 7:13)

O Lúcifer se tornou incrédulo assim. No entanto, ele não tinha dúvida da existência e unidade de Deus. Ele também aceitava a existência da outra vida. Porque assim que ele foi expulso, ele implorou:

قَالَ رَبِّ فَأَنظِرْنِي إِلَى يَوْمِ يُبْعَثُونَ

“Disse: Ó Senhor meu, tolera-me, até ao dia em que forem ressuscitados!” (Sad 38:79)

Foi suficiente que Satanás ignorasse mesmo só única ordem de Deus para se tornar um incrédulo. O homem também assim se torna incrédulo não porque não saber mas por causa de ignorar.

  1. Kafir (em árabe: كافر kāfir; plural كَافِرُونَ kāfirūna, كفّار kuffār ou كَفَرَة kafarah; feminino كافرة kāfirah) é um termo árabe (da raiz K-F-R “cobrir”) que significa “aquele que cobre a verdade”. http://www.wikiwand.com/en/Kafir
  2. O termo “configuração”, ou “forma”, deve ser interpretado, não somente referindo-se à forma física, a qual muda a cada dia que passa, mas também às várias configurações ou formas que a nossa existência ideal e espiritual possa tomar, de tempos em tempos, de acordo com as nossas experiências interiores. Comparar com o versículo 8 da 82ª Surata. A Forma, ou Ideal, ou Padrão Original, de acordo com a doutrina mística de Platão, tal como a desenvolve na sua obra, “A República”, pode também ser comparada com os “nomes” ou a natureza e qualidade das coisas, que Deus ensinou a Adão (versículo 31 da 2ª Surata, e versículo 94 da 6ª Surata, e respectivas notas). Somente após Adão (o que serve para toda a humanidade) ter sido ensinado, é que foi pedido aos anjos que se curvassem ante ele, pois, pela graça de Deus, seu status ficou virtualmente mais elevado. Note-se a transição: de “vós” (plural), na primeira cláusula, para”Adão”; na Segunda cláusula; Adão e humanidade são sinônimos; o plural é restabelecido nos versículos 14, 1618 desta surata.
  3. Nota-se o estratagema sutil de Iblis: seu egoísmo em querer colocar-se acima do homem, e sua falsidade em ignorar o fato de que Deus não fez meramente de barro o corpo do homem, mas deu-lhe uma forma espiritual – em outras palavras, ensinou-lhe a natureza das coisas e elevou-o em dignidade, acima dos anjos.