Profeta Jacó no Alcorão

Profeta Jacó no Alcorão

1- Testamento de Jacó

Quem rejeitaria o credo de Abraão, a não ser o insensato? Já o escolhemos (Abraão), neste mundo e, no outro, contrar-se-á entre os virtuosos.

E quando o seu Senhor lhe disse: Submete-te a Mim!, respondeu: Eis que me submeto ao Senhor do Universo!

Abraão legou esta crença aos seus filhos, e Jacó aos seus, dizendo-lhes: Ó filhos meus, Deus vos legou esta religião; apegai-nos a ela, e não morrais sem serdes submissos (a Deus).

Estáveis, acaso, presentes, 1 quando a morte se apresentou a Jacó, que perguntou aos seus filhos: Que adorareis após a minha morte? Responderam-lhe: Adoraremos a teu Deus e o de teus pais: Abraão, Ismael e Isaac; o Deus Único, a Quem nos submetemos.

Aquela é uma nação que já passou; colherá o que mereceu e vós colhereis o que merecerdes, e não sereis responsabilizados pelo que fizeram. (Al Bácara | A Vaca 2/130-134)

2- As Coisas que Jacó Proibiu

Aos israelitas, todo o alimento era lícito 2, salvo aquilo que Israel se havia privado antes de a Tora ter sido revelada. Dize-lhes: Trazei a Tora e lede-a, se estiverdes certos.

E aqueles que forjarem mentiras acerca de Deus, depois disso, serão iníquos. (Al ‘Imran | A Família de Imran 3/93-94)

  1. A totalidade dos israelitas é chamada a testemunhar sobre um dos slogans, de que eles adoravam: “o Deus de seus pais”. A ideia, em suas mentes, restringia-se à de um deus tribal. Entretanto, é-lhes rememorado que os seus antepassados possuíam, do leito de morte é descrita na tradição judaica.
  2. Os árabes comiam carne de camelo, coisa lícita no Islã, porém proibida pela Lei Mosaica (Levítico 11:4). Ora, tal Lei era muito rígida, devido à “dureza de coração” de Israel, e por causa da insolência e da iniquidade dos israelitas (6ª Surata, versículo 146). Antes de ela ser promulgada, os israelitas eram livres para escolherem a sua própria alimentação.