Profeta Isaac no Alcorão

Profeta Isaac no Alcorão

Profeta Isaac no Alcorão

“Dizei: Cremos em Deus, no que nos tem sido revelado, no que foi revelado a Abraão, a Ismael, a Isaac, a Jacó e às tribos; no que foi concedido a Moisés e a Jesus e no que foi dado aos profetas por seu Senhor; não fazemos distinção alguma entre eles, e nos submetemos1 a Ele. “ (Al Bácara | A Vaca 2/136)

“Podeis acaso, afirmar que Abraão, Ismael, Isaac, Jacó e as tribos eram judeus ou cristãos? Dize: Acaso, sois mais sábios do que Deus o é? Haverá alguém mais iníquo do que aquele que oculta um testemunho recebido de Deus? Sabei que Deus não está desatento a quanto fazeis.” (Al Bácara | A Vaca 2/140)

“Agraciamo-los com Isaac e Jacó, 2 que iluminamos, como havíamos iluminado anteriormente Noé 3 e sua descendência, Davi e Salomão, Jó e José, Moisés e Aarão. Assim, recompensamos os benfeitores.

E Zacarias, 4Yáhia (João), Jesus e Elias, pois todos se contavam entre os virtuosos.

E Ismael, Eliseu, Jonas e Ló 5, cada um dos quais preferimos sobre os seu contemporâneos. 

E a alguns de seus pais, progenitores e irmãos, elegemo-los e os encaminhamos pela senda reta.

Tal é a orientação de Deus, pela qual orienta quem Lhe apraz, dentre os Seus servos. Porém, se tivessem atribuído parceiros a Ele, tornar-se-ia sem efeito tudo o que tivessem feito.

São aqueles a quem concedemos o Livro, a sabedoria e a profecia. Mas se estes (seus descendentes) os rejeitassem, mesmo assim, confiá-los-íamos a outro povo que não fosse incrédulo.

São aqueles que Deus iluminou. Toma, pois, seu exemplo. Dize-lhes: Não vos exijo recompensa alguma, por isto. Ele (o Alcorão) não é mais do que uma mensagem para a humanidade. “  (Al An’am | O Gado 6/84-90)

“Porém, quando observou que suas mãos hesitavam em tocar o vitelo, desconfiou deles, sentindo-lhes temor. Disseram: Não temas, porque somos enviados contra o povo de Ló!

E sua mulher, que estava presente, pôs-se a rir,6 por alvissaramo-la com o nascimento de Isaac e, depois deste, com o de Jacó.

Ela exclamou: Ai de mim! Conceber, eu, que já sou uma anciã, deste meu marido, um ancião? Isto é algo assombroso!

Disseram: Assombras-te, acaso, dos desígnios de Deus? Pois sabei que a misericórdia de Deus e as Suas bênçãos vos amparam, ó descendentes da casa (profética); Ele é Louvável, Gloriosíssimo. “ (Hud 11/70-73)

“E sigo o credo dos meus antepassados: Abraão, Isaac e Jacó, porque não admitimos parceiros junto a Deus. Tal é a graça de Deus para conosco, assim como para os humanos; porém, a maioria dos humanos não Lhe agradece. “ (Youssif | José 12/38)

“E quando os abandonou com tudo quanto adoravam, em vez de Deus, agraciamo-lo com Isaac e Jacó, e designamos ambos como profetas.7 (Máriam | Maria 19/49)

“E o agraciamos com Isaac 8 e Jacó, e designamos, para a sua prole, a profecia e o Livro; concedemos-lhe a sua recompensa neste mundo e, no outro, contar-se-á entre os virtuosos. “ (Al ‘Ankabut | A Aranha 29/27)

“E lhe anunciamos, ainda, (a vinda de) Isaac, o qual seria um profeta, entre os virtuosos.

E o abençoamos, a ele e a Isaac. Mas entre os seus descendentes há benfeitores, e outros que são verdadeiros iníquos para consigo mesmos. “ (As Sáfat | Os Enfileirados 37/112-113)

“E menciona os Nossos servos Abraão, Isaac e Jacó, possuidores de poder e de visão. “ (Sad 38/45)

Notas:

  1. Eis aqui o verdadeiro credo do Islã: acreditar no único Deus Universal, na Mensagem que nos chegou através de Mohammad, nos sinais interpretados à base de responsabilidade pessoal, na mensagem revelada a outros profetas do passado. Estes tópicos são mencionados em três grupos: Abraão, Ismael, Isaac e as tribos (destes, Abraão tinha aparentemente um livro -versículo 18 da 87ª Surata -, e outros seguiam sua tradição); Moisés e Jesus, cada um deles deixando uma escritura (tais escrituras existem até hoje, não obstante não se apresentarem na sua prístina forma); outras escrituras, outros profetas e outros mensageiros de Deus (não especificamente mencionados no Alcorão – versículo 78 da 4ª Surata). Não fazemos distinção entre qualquer um desses. Sua mensagem (no essencial) foi uma só, e isso constitui a base do Islã.
  2. Temos agora uma lista de dezoito Mensageiros, dividida em quatro grupos, compreendendo os grandes Mestres, aceitos entre os adeptos das três grandes religiões, baseadas em Moisés, Jesus e Mohammad. O primeiro grupo a ser mencionado é o de Abraão, com seu filho, Isaac, e o filho de Isaac, Jacó. Abraão foi o primeiro a receber um Livro. Este é mencionado no versículo 19 da 87ª Surata, embora tal Livro esteja agora perdido. Portanto, eles foram os primeiros a receber a Diretriz, em termos de um Livro.
  3. No segundo plano, temos os grandes fundadores de famílias, isoladamente de Abraão, a saber: Noé, do tempo do Dilúvio; Davi e Salomão, os verdadeiros estabilizadores da monarquia judaica; Jó, que viveu 140 anos, viu quatro gerações de descendentes, e no fim de sua vida foi abençoado com uma vasta riqueza agropecuária (Jó, 42:12 e 16); José, que foi Ministro de Estado no Egito, realizando ali grandes obras, e foi o progenitor de duas tribos; e Moisés e Aarão, os líderes do Êxodo do Egito para a Palestina. Eles viveram intensamente, e são denominados “praticantes do bem”.
  4. O terceiro grupo consiste, não de homens, de ação, mas de Pregadores da Verdade, que levaram vidas solitárias. Seu epíteto é “os Virtuosos”. Eles foram profetas místicos, e formam um grupo conexo, em torno de Jesus. Zacarias foi o pai de João Batista, o precursor de Jesus (versículos 37;41 da 3ª Surata). Jesus referiu-se a João como sendo Elias: “…ele mesmo é Elias, que há de vir” (Mateus, 11:14); e diz-se que Elias esteve presente, e que falou com Jesus, na Transfiguração, no Monte (Mateus, 17:3).
  5. Este é o derradeiro grupo, descrito como o daqueles “favorecidos acima das nações”. Ele se constitui de quatro homens, e todos eles passaram por infortúnios, e foram envolvidos nas destruições das nações, permanecendo, contudo, na senda de Deus, surgindo, então, acima das ruínas delas. Ismael era o filho mais velho de Abraão; quando era um bebê, ele e sua mãe quase morreram de sede no deserto, ao redor de Makka; porém, eles foram salvos pelo poço de Zamzam, tornando-se ele o fundador da nova nação árabe. Eliseu (Al-yas’a) sucedeu ao Profeta Elias, que viveu em tempos atribulados para ambos os reinos judaicos (Judá e Israel); havia reis iníquos, com outras nações a pressioná-los; mas ele realizou muitos milagres, e algum revide foi dado ao inimigo, a conselho seu. A história de Jonas (Yunus) é bem conhecida; ele foi engolido por um peixe, ou baleia, mas foi salvo pela misericórdia de Deus; por causa da sua pregação, a sua cidade (Nínive) foi salva (versículo 98 da 10ª Surata). Ló era sobrinho e contemporâneo de Abraão; quando a cidade de Sodoma foi destruída, por causa da corrupção, ele foi salvo, como um homem justo (versículos 80-84 da 7ª Surata.
  6. A narrativa é muito concisa, sendo que a maioria dos detalhes é tida como certa. Podemos supor que os anjos deram a notícia primeiramente a Abraão, que já contava, de acordo com a Bíblia, Gênesis, 21:5, 100 anos de idade, e depois a sua esposa, Sara, que não tinha muito menos do que 90 anos (Gênesis, 17:7). Ela deveria provavelmente estar oculta, segundo um costume oriental. Ela mal pôde acreditar na notícia. Em seu ceticismo (em seu júbilo, alguns dizem), ela gargalhou. Contudo, a notícia de que ela iria ser mãe de Isaac e, através de Isaac, avó de Jacó, foi-lhe formalmente comunicada. Jacó iria constituir-se numa árvore frutífera, com seus doze filhos. Porém, até então, Abraão não tinha tido filho algum com ela, e Sara havia passado da idade de conceber. “Como poderia aquilo acontecer?”, ela pensou.
  7. Isaac e seu filho, Jacó, são mencionados como a dar continuidade à linha de tradições de Abraão. Outra linha foi continuada por Ismael, que é mencionado, independentemente, cinco versículos mais adiante, da mesma maneira que a sua linhagem é tratada com especial honraria quanto ao Profeta do Islam. Eis porque a menção a ele vem depois da de Moisés. Comparar com o versículo 72 da 21ª Surata.
  8. Isaac era filho de Abraão, e Jacó, seu neto; e entre a sua progênie esteve incluído Ismael, o filho mais velho de Abraão. Cada um destes tornou-se uma fonte de Profecia e da Revelação – Isaac e Jacó, através de Moisés, e Ismael, através do Profeta Mohammad.