Em quais casos obrigatórios um empréstimo com juros dos bancos pode ser halal?

Os Juros nos Casos Obrigatórios

O juro é uma das proibições mais severas do Islã. Como se um muçulmano que está sob condições muito difíceis pode comer carne de porco para não morrer, assim ele pode se beneficiar do juro em condições tão ruins.

Não é certo ter um empréstimo com juros sempre que enfrentar um problema econômico. “O que transforma haram em mubah” não é um conceito flexível que possa ser interpretado por todos.

Nós recebemos muita pergunta de “Eu estou em uma situação muito difícil, não posso obter um empréstimo?”. Não deve ser esquecido que aqueles que estão em boas condições financeiras não incorrem em nenhum problema para si mesmos, recebendo um empréstimo com juros! De fato, é necessário evitar o juro no momento em que a situação é difícil. O exame envolve-se neste ponto. Allah, o Glorificado seja, diz:

وَلَنَبْلُوَنَّكُمْ بِشَيْءٍ مِّنَ الْخَوفْ وَالْجُوعِ وَنَقْصٍ مِّنَ الأَمَوَالِ وَالأنفُسِ وَالثَّمَرَاتِ وَبَشِّرِ الصَّابِرِينَ * الَّذِينَ إِذَا أَصَابَتْهُم مُّصِيبَةٌ قَالُواْ إِنَّا لِلّهِ وَإِنَّا إِلَيْهِ رَاجِعونَ * أُولَئِكَ عَلَيْهِمْ صَلَوَاتٌ مِّن رَّبِّهِمْ وَرَحْمَةٌ وَأُولَئِكَ هُمُ الْمُهْتَدُونَ

“Certamente que vos poremos à prova mediante o temor, a fome, a perda dos bens, das vidas e dos frutos. Mas tu (ó Mensageiro), anuncia (a bem-aventurança) aos perseverantes – Aqueles que, quando os aflige uma desgraça, dizem: Somos de Deus e a Ele retornaremos. Estes serão cobertos pelas bênçãos e pela misericórdia de seu Senhor, e estes são os bem encaminhados.” ((Al Bácara | A Vaca 2:155-157)

يَا أَيُّهَا الَّذِينَ آمَنُواْ اسْتَعِينُواْ بِالصَّبْرِ وَالصَّلاَةِ إِنَّ اللّهَ مَعَ الصَّابِرِينَ

“Ó fiéis, amparai-vos na perseverança e na oração, porque Deus está com os perseverantes.” (Al Bácara | A Vaca 2:153)

Por esta razão, o muçulmano deve ficar paciente, apesar de todos os tipos de dificuldades, ele deve trabalhar mais e nunca não deve se envolver em haram.

FONTE: Yahya Şenol, “Bize Soruyorlar”, A Revista de Kitap ve Hikmet, abril-junho de 2016, edição: 13, p. 104.