Qual foi a religião de Muhammad antes do Islã?

Muhammad-antes-do-Islã

De acordo com o Alcorão, Muhammad não era nem monoteísta nem politeísta antes de receber revelação. Ele era apenas um homem comum. Ele não carregava nenhum interesse especial para as crenças comuns de sua comunidade, nem protestou contra ela.

Allah, Glorificado seja, diz:

“Também te inspiramos com um Espírito, por ordem Nossa,  antes do quê não conhecias o que era o Livro, nem a fé;  porém, fizemos dele uma Luz, mediante a qual guiamos quem Nos apraz dentre os Nossos servos.  Tu certamente te diriges para uma senda reta.” (Ax Xura 42:52)

Ele não estava ciente da Bíblia e da Torá como ele era analfabeto.

Allah, Glorificado seja, diz:

“Nunca recitaste livro algum antes deste, nem o transcreveste com a tua mão direita; caso contrário, os difamadores teriam duvidado.” (Al Ancabout 29:48)

Ele provavelmente sabia que as crenças comuns de sua comunidade não estavam corretas, mas ele não estava ciente de nenhuma maneira melhor. Ele estava perdido como a maioria das pessoas hoje.

Allah, Glorificado seja, diz:

“Não te achou necessitado e te enriqueceu?” (Adh Dhuha 93:7)

Este é um caso comum para quase todos os mensageiros.

Abraão também estava perdido antes de receber a revelação. Mas ao contrário de Muhammad, Abraão estava em busca da fé verdadeira e tornou-se um monoteísta natural através do raciocínio antes de receber a revelação. Ele tentou adotar coisas que são consideradas divinas em seu tempo como Senhores, mas ele deixou de acreditar nelas um a um.

Allah, Glorificado seja, diz:

“Quando a noite o envolveu, viu uma estrela e disse: Eis aqui meu Senhor!  Porém, quando esta desapareceu, disse: Não gosto dos que desaparecem. Quando viu despontar a lua, disse: Eis aqui meu Senhor!  Porém, quando esta desapareceu, disse: Se meu Senhor não me iluminar, contar-me-ei entre os extraviados. Quando viu despontar o sol, exclamou: Eis aqui meu Senhor! Este é maior!  Porém, quando este se pôs, disse: Ó povo meu, não faço parte da vossa idolatria!” (Al An’am 6:76-78)

Como adição, lembremos que, de acordo com o Alcorão, o maior pecado é shirk, que pode ser traduzido como “adotar mediadores entre homem e  Deus”. Todas as comunidades de mensageiros eram principalmente mushrik. Não eram ateus. Todos eles conheciam e acreditavam em um ser supremo, o criador de toda a criação (ver Alcorão 29:36, 31:25, 39:38, 43:87). Erro deles era adotar outras coisas como mediadores entre eles e Deus. Eles colocaram os mediadores em primeiro lugar e costumavam agradá-los adorando ícones que os representavam e esperavam que fossem seus intercessores no Dia do Juízo Final. Sim, eles também acreditavam no conceito do Último Dia.

Allah, Glorificado seja, diz:

Não deve, porventura, ser dirigida a Allah a devoção sincera?  Quanto àqueles que adotam protetores, além d’Ele, dizendo: Nós só os adoramos para nos aproximarem de Allah.  Ele os julgará, a respeito de tal divergência.  Allah não encaminha o farsante, ingrato. (Az Zúmar 39:3)

Encontramos esse mesmo tipo de crença na maioria dos cristãos hoje em dia e, infelizmente, a maioria dos muçulmanos hoje em dia. Os cristãos acreditam que Jesus é / será seu defensor no Dia do Juízo e os salvará das mãos de Deus. Muçulmanos (!) também acreditam que Muhammad vai rezar por eles a Deus no Dia do Juízo, e Deus perdoará os muçulmanos pecadores e os deixará entrar no céu por causa de seu  mensageiro “mais amado” Muhammad.

A religião pura do Deus que Ele revelou a Noé, Abraão, Moisés, Jesus e Muhammad não aceita mediadores, homens sagrados / divinos, nenhuma autoridade e ninguém para agradar, exceto um e único Deus.

Hakan Şahin

By |2018-05-07T02:17:48+00:0021/02/2018|Categories: A Fé|