Deificação dos Profetas

Deificação dos Profetas

Cristãos deificaram o Profeta Jesus. Segundo eles; se Jesus não existisse, o universo não teria sido criado. O que quer que seja visível e invisível na terra e nos céus; tronos, domínios, regras … tudo foi criado através de sua mediação e por sua causa. 1

Crenças erradas são como epidemias; Eles se espalharam rapidamente. As crenças mencionadas acima também infectaram os muçulmanos. Em uma narrativa fabricada que é atribuída ao Profeta Muhammad (saws), afirma-se que Deus lhe disse:

“Se não fosse por você, Eu não teria criado o universo” 2

Segundo algumas seitas, Muhammad (saws) é a origem da criação. Quando nada além de Allah existia, o primeiro a ser criado era o “Haqiqat al-Muhammadiyya – A Essência de Muhammad”. Mais tarde, toda criatura foi criada a partir dele e por sua causa.

Como “A Essência de Maomé” era a luz (nur), é o princípio da criação do universo e sua essência. Como esta luz é imortal e eterna, a palavra “morreu” não pode ser usada para o profeta … “A Essência de Muhammad”, em outras palavras, “A Luz de Muhammad”, é a fonte do conhecimento; ambos evidentes e misteriosos; para todos os profetas e todos os homens santos. Essa essência é o que medeia para levar a iluminação de Deus para as pessoas. 3 Obviamente, esta crença se junta ao Profeta Muhammad com Deus; e unir os outros a Deus é absolutamente proibido!

Segundo os católicos; “Jesus, o Messias é verdadeiro Deus e verdadeiro homem”. É por isso que ele é o mediador entre os humanos e Deus, o Pai. ” 4

Essa crença se espalhou para algumas seitas também. Segundo eles, Allah e “A Essência de Maomé” são dois lados da mesma verdade. 5 Eles têm um poema para contar para esse tópico em particular; que pode ser traduzido a seguinte:

“Ahad é Ahmad, a única diferença é “mim ”
O mundo inteiro é coletado naquele “mim”

Para explicar essas estrofes, eles acrescentam a seguinte explicação:

“Ahad é Allah.” 6

É claro que essa crença é irrelevante para o Islã porque, Allah, O Glorificado seja, diz:

وَمَا مُحَمَّدٌ إِلَّا رَسُولٌ قَدْ خَلَتْ مِنْ قَبْلِهِ الرُّسُلُ

“Muhammad não é senão um Mensageiro, a quem outros mensageiros precederam.” (Ál ‘Imran | A Família de Imran 3:144)

قُلْ إِنَّمَا أَنَا بَشَرٌ مِثْلُكُمْ يُوحَى إِلَيَّ أَنَّمَا إِلَهُكُمْ إِلَهٌ وَاحِدٌ فَاسْتَقِيمُوا إِلَيْهِ وَاسْتَغْفِرُوهُ وَوَيْلٌ لِلْمُشْرِكِينَ

“Dize-lhes: Sou tão-somente um mortal como vós, a quem tem sido revelado que vosso Deus é um Deus Único. Consagrai-vos, pois, a Ele, e implorai-Lhe perdão! E ai dos idólatras.” (Fússilat | Os Detalhados 41:6)

قُلْ إِنِّي لَا أَمْلِكُ لَكُمْ ضَرًّا وَلَا رَشَدًا. قُلْ إِنِّي لَنْ يُجِيرَنِي مِنَ اللَّهِ أَحَدٌ وَلَنْ أَجِدَ مِنْ دُونِهِ مُلْتَحَدًا. إِلَّا بَلَاغًا مِنَ اللَّهِ وَرِسَالَاتِهِ

“Dize-lhes (mais): Em verdade, não posso livrar-vos do mal, nem trazer-vos para a conduta verdadeira. Dize-lhes (ainda): Em verdade, ninguém poderá livrar-me de Allah, nem tampouco acharei amparo algum fora d’Ele; Somente proclamo o que de Allah recebi, bem como a Sua mensagem. E aqueles que desobedecem a Allah e ao Seu Mensageiro, certamente terão o fogo infernal, onde morarão eternamente.” (Al Jin | Os Gênios 72:21-23)

Os muçulmanos não têm outra escolha, mas abrir uma página em branco e rever todos os ramos de estudos islâmicos à luz do Alcorão. Não importa se é exegese, ou narração, ou jurisprudência islâmica, ou teologia… Caso contrário, eles perderão em ambas as vidas; na vida mundana e na outra.

  1. Catecismo da Igreja Católica, par 331.
  2. Ismail b. Muhammad al-Ajluni, Kashf al-hafa, Beirute 1988/1408, Livro 2, P 164. Ajluni escreveu esse livro para coletar cada idioma e expressão, conhecidos por serem verdadeiros ou fabricados. Esta é a razão pela qual o livro cobre um número considerável de narrativas fabricadas. Este é um deles.
  3. Demirci, Mehmet “Hakikati Muhammediye” “A Enciclopédia do Islã”, Assuntos Religiosos da República Turca (DIA); Livro XV, p. 179-180
  4. Catecismo da Igreja Católica, par 480
  5. Demirci, Mehmet “Hakikati Muhammediye” “A Enciclopédia do Islã”, Assuntos Religiosos da República Turca (DIA); Livro XV, p. 179-180
  6. Dinc, Ali Ramazan, Iki Cihan Serveri, Peygamberi Zisanimiz, Revista Yeni Dunya, 58/9 de agosto / setembro de 1998, p. 32